Huffpost Brazil

Ejaculação precoce: como evitar, dicas e informações pra não passar vergonha

Publicado: Atualizado:
EJACULACAO PRECOCE
A ejaculação precoce só é considerada um problema quando ocorre em pelo menos 50% das relações sexuais e durante seis meses | Thinkstock

A eliminação de Franciele do BBB14, nesta terça (04), fez despertar discussões sobre ejaculação precoce. Dentro da casa, a sister engatou um romance com Diego e não hesitou em ir para baixo do edredom com o brother. Até aí, tudo bem, se não fosse a rapidez com que o casal se resolvia na cama – apenas três minutos.

Assim que deixou a casa, Fran foi bombardeada por perguntas sobre a falta de “fôlego” do carioca. Sem se esquivar da polêmica, ela disse que a culpa foi da timidez. “As pessoas na casa me sacaneavam, dizendo que eu era ninfomaníaca, a tarada do ‘BBB’. O Diego ficava tímido, ficava constrangido com as câmeras, as luzes”, reportou o Portal MdeMulher.

Nada mais justo então do que consultar quem mais entende do assunto para saber mais sobre o tema. Fomos atrás de tudo o que a Men’s Health já publicou sobre o assunto. E a conclusão foi: a ejaculação precoce tem, sim, solução! Confira o que os especialistas revelaram à publicação:

- A ejaculação precoce só é considerada um problema quando ocorre em pelo menos 50% das relações sexuais e durante seis meses.

- A média de tempo de uma penetração satisfatória, segundo estudos americanos, é de seis a dez minutos. Considera-se precoce aquela que acontece antes de um ou dois minutos de penetração. "O nervosismo do dia a dia pode alterar a capacidade de controle ejaculatório. Em situações isoladas, isso não quer dizer que o homem sofra da disfunção", explicou à publicação a sexóloga Jaqueline Brendler, diretora latino-americana da Associação Mundial de Saúde Sexual.

- A ansiedade é a pior inimiga do sexo. Ela é a causa de 99% dos casos de ejaculação precoce, o que faz dessa disfunção um problema psicológico e não orgânico.

- Tente reverter o quadro na hora H fixando o pensamento que desligue você de sexo: isso pode diminuir um pouco seu tesão e adiar a ejaculação.

- Masturbe-se! Essa prática ajuda a conhecer melhor o corpo e segurar a ejaculação. “Durante a masturbação, comprima a base da glande (cabeça do pênis) por quatro ou cinco segundos imediatamente após a primeira sensação de maior excitação. Isso dificulta a entrada de sangue no pênis e retarda um pouco a ejaculação", explica Rosana Rodrigues, sexóloga e especialista em reprodução humana pela Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP).

- Aperte! Você ou sua parceira devem segurar com firmeza a base ou a ponta do pênis por 15 segundos quando estiver quase ejaculando e, assim, interromper os estímulos.

- Não existe uma posição que facilite esse controle, mas você pode tentar, quando sentir que o orgasmo está próximo, contrair os músculos da pélvis - como quando você quer prender a urina. Depois de um tempo treinando, você vai perceber que o clímax vai dar uma diminuída.

- “Troque de posição quando notar que a hora está chegando”, sugere Paulo Egydio, urologista e consultor da Men’s Health. Se não resolver, o especialista indica o uso na glande de pomadas anestésicas à base de lidocaína e prilocaína. Elas reduzem a sensibilidade no órgão e retardam o clímax. Já existem no mercado preservativos que contêm essas substâncias na formulação.

- Em último caso, procure um urologista para mais informações. Cerca de 80% dos homens que procuram ajuda conseguem se livrar da encrenca. Hoje, o tratamento mais utilizado é uma combinação de psicoterapia e remédios antidepressivos. Essas drogas agem sobre os captadores de serotonina, um dos neurotransmissores mais importantes na hora do orgasmo. A medicação diminui a quantidade de substâncias que quebram a serotonina presente no cérebro, com isso o paciente consegue sentir prazer por mais tempo sem ter a vontade de ejacular.

- Curta o ar livre e coma mais banana. "É possível aumentar a quantidade de serotonina no organismo passando mais tempo exposto à luz natural", afirma Simon N. Young, cientista do Departamento de Psiquiatria da Universidade McGill (Canadá). "Mesmo em dias nublados, a luz natural que você recebe turbina a serotonina." Meia hora se expondo a ela é o mínimo, uma hora é o ideal. "Outro ingrediente-chave à produção desse hormônio é o triptofano, substância encontrada em alta concentração em alimentos como a banana", indica Giovanna Arcuri, nutricionista funcional de São Paulo.