Huffpost Brazil

Crise na Ucrânia: "Precisamos de um posicionamento do Brasil", diz embaixatriz

Publicado: Atualizado:
Print Article
DILMA FABIANA
Embaixatriz da Ucrânia Fabiana Tronenko (à dir.) quer mais apoio do Brasil | Divulgação/Embaixada da Ucrânia

A embaixatriz da Ucrânia, Fabiana Tronenko, cobrou nesta quarta-feira (12) um posicionamento mais claro e firme do governo brasileiro sobre a crise pela qual passa o país do Leste Europeu. A representante ucraniana pediu mais apoio durante visita à Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, em Brasília.

“Nós necessitamos dos nossos países amigos. Precisamos de um posicionamento do Brasil, não da sua interferência. Nenhum país está livre de sofrer essas mesmas infrações que a Ucrânia está sofrendo hoje em relação à sua soberania”, disse Fabiana, em declarações reproduzidas pela Agência Câmara. Ela fez referência à invasão da Criméia, no sul da Ucrânia, por tropas russas, no início deste mês. Um referendo no próximo dia 16 junto à população local vai definir se a região quer se unir aos russos.

Crise na Ucrânia: entenda o que está acontecendo passo a passo

A posição da embaixatriz causou opiniões divergentes entre governistas e a oposição na Câmara. Se para o deputado Dr. Rosinha (PT-PR), que já presidiu a Comissão de Relações Exteriores, o Itamaraty acertou ao agir com cautela, deixando que “o povo decida o destino que deseja”, o deputado Cláudio Cajado (DEM-BA), que preside o Grupo Parlamentar Brasil-Ucrânia, acredita que o Brasil precisa ser mais claro sobre a “falta de respeito à soberania da Ucrânia”.

Oficialmente, o governo brasileiro prega uma solução pacífica ao conflito, que teve início ainda no ano passando, em novembro, quando o então presidente Viktor Yanukovich desistiu da entrada dos ucranianos na União Europeia, em favor de uma reaproximação com a Rússia. A posição dividiu o país e, no mês passado, o Parlamento destituiu Yanukovich. Os russos decidiram invadir a Criméia sob a alegação de “defesa da maioria de origem russa” que vive na região.

Segundo a Agência Câmara, está na pauta da Comissão de Relações Exteriores um requerimento para que seja realizada uma audiência pública sobre o assunto. Ele deve ser votado na próxima reunião da comissão.