Huffpost Brazil
Caio Delcolli Headshot

13 lições de diversidade que os quadrinhos de super-heróis deram em 2015

Publicado: Atualizado:
Imprimir

A diversidade nunca esteve tão em alta no meio dos quadrinhos de super-heróis.

Marvel e DC Comics, as principais editoras de super-heróis, são conhecidas por criar personagens que pertencem a minorias em representatividade, como pessoas LGBT, mulheres e negros.

No entanto, hoje elas estão em seu ápice para incorporar a diversidade da vida real às suas histórias. E o ano de 2015 foi excepcional nesse sentido.

O Homem de Gelo, um dos membros fundadores dos X-Men, se assumiu como gay. Uma capa em que a Batgirl é vítima de violência – em uma cena sinistra – foi cancelada e gerou um pedido de desculpas. Um cientista coreano genial é o novo Hulk.

Estes são alguns exemplos de como os quadrinhos de super-heróis estão atuais e criativos como nunca. Abaixo, você encontra mais alguns:

  • 1
    Mulher-Aranha grávida de oito meses
    Javier Rodriguez
    Em novembro deste ano, a super-heroína da Marvel, grávida de oito meses, estreou sua própria revista. Jessica Drew, alter ego da personagem, sabe quem é o pai, mas prefere não dizer o nome dele – ela não se sente na obrigação de fazer isso.
  • 2
    O novo Hulk tem origem coreana
    Frank Cho
    O cientista Amadeus Cho, americano de origem coreana, é o novo homem que será o "Golias verde" – apelido dele nos quadrinhos – da Marvel. Ele é a sétima pessoa mais inteligente do mundo e tem comportamento impulsivo. Ao contrário de Bruce Banner, ser o Hulk é motivo de deleite para Cho. O novo gibi, The Totally Awesome Hulk ("o totalmente incrível Hulk", em português), estreou em dezembro.
  • 3
    Moon Girl: negra, pré-adolescente e genial
    Amy Reeder
    Esta é a protagonista de Moon Girl and Devil Dinosaur ("garota lunar e o Dinossauro Demônio"), nas bancas desde novembro. Lunella Lafayette tem 13 anos, é amiga do Dinossauro Demônio e tem a ambição de estudar nas melhores instituições de ensino dos Estados Unidos. O DNA alienígena que a garota tem a faz se sentir deslocada, mas ela não quer deixar isso atrapalhar sua vida. A parceria de Moon Girl e seu amigo é a essência das histórias. Boa, Marvel!
  • 4
    Mulher-Gato finalmente fora do armário
    Reprodução/DC Comics
    Após muitos anos de especulações, em 2015, a personagem do universo Batman finalmente saiu do armário como bissexual. Presente nos quadrinhos da DC desde 1940 – e em diversas obras derivadas, como filmes, séries de TV e games – a orientação sexual agora confirmada da Mulher-Gato valerá para sempre. Ou seja, não estamos falando de mais uma daquelas histórias ambientadas em universos paralelos "onde tudo pode acontecer", mas da versão definitiva da personagem.
  • 5
    Esta capa machista foi cancelada
    Reprodução/DC Comics/Rafael Albuquerque
    O artista responsável pela ilustração é o brasileiro Rafael Albuquerque, e ela foi feita para uma série especial de capas para comemorar os 75 anos do Coringa, vilão da DC. Trata-se de uma referência a um acontecimento icônico dos quadrinhos: na história A Piada Mortal (1988), o Coringa invade a casa da Batgirl e a deixa paraplégica com um tiro. A capa foi feita para Batgirl #41, mas não chegou a ser publicada, pois causou furor nas redes sociais. Mais uma vez, os quadrinhos estavam sendo machistas ao retratar mulheres. Albuquerque e a DC decidiram não lançar a capa, além de o autor ter reconhecido o erro e pedido desculpas. Violência contra a mulher? Não passará.
  • 6
    Um supergrupo de mulheres contra o nazismo
    DC Comics
    Antes uma coleção de estátuas, as Bombshells ganharam uma série de quadrinhos só para elas. Ambientada em uma realidade paralela, o supergrupo combate o nazismo durante a II Guerra Mundial. São a Mulher-Maravilha, Batgirl e Supergirl. Elas se tornam famosas e são críticas sobre como a imagem delas é usada.
  • 7
    O Thor? Não, "a" Thor
    Marvel
    Divulgada em fevereiro como a nova pessoa a assumir o posto de Thor – ou seja, digna de levantar o martelo Mjölnir –, a estreia da super-heroína serviu para ressaltar, também, o interesse da Marvel em aumentar seu público e atrair mais mulheres para lerem seus gibis. O resultado? Sucesso – superou sua versão masculina nas vendas, além de podermos considerá-la um sucesso de vendas de maneira geral. Em maio, a identidade de Thor foi anunciada pela editora: ela é Jane Foster, coadjuvante de décadas nas histórias do herói. Ambos já foram um casal.
  • 8
    A-Force: as mulheres dos Vingadores em um grupo só
    Marvel
    Quinze das mulheres que já fizeram parte dos Vingadores – como Mulher-Hulk, Viúva Negra e Vespa – se unem, pela primeira vez, no grupo A-Force, cujas revistas estão nas bancas desde maio de 2015. Elas protegem o planeta matriarcal (sim, matriarcal) Battleword ("mundo da batalha").
  • 9
    Homenagem a discos de hip hop em capas da Marvel
    Marvel
    Em julho deste ano, a Marvel prestou homenagem a discos clássicos do hip hop em criativas interpretações feitas em capas de suas revistas. A heroína Ms. Marvel – hoje posto da paquistanesa-americana Kamala Khan – "encarnou" a rapper negra Lauryn Hill na capa de The Miseducation of Lauryn Hill (1998). Uau.
  • 10
    Vigilante que usa o Grindr para achar parceiros
    DC Comics
    O vigilante Midnighter, da DC, protagoniza o primeiro quadrinho mainstream focado exclusivamente em um homem gay, nas bancas desde junho deste ano. Ele está contente com a orientação sexual que tem, está solteiro e usa o Grindr, famoso aplicativo de relacionamentos gay, para encontrar parceiros. O I4U avaliou o personagem como alguém que aprende a se amar pela dor. Midnighter entrou na lista de Vulture dos dez melhores gibis de 2015.
  • 11
    Aceitar a si mesmo, como mutante e gay
    Marvel
    Em All-New X-Men, recente série dos mutantes da Marvel, o jovem Homem de Gelo viaja no tempo e encontra sua versão adulta do futuro. Na edição 40, lançada em abril de 2015, o herói adolescente se identificou como gay. A novidade deixou o meio dos quadrinhos agitado. Curioso a respeito de sua versão adulta, na revista Uncanny X-Men #600, o personagem pergunta para confirmar se o mais velho também é. Em uma cena delicada, o Homem de Gelo adulto diz para sua versão jovem: "Você vai ser mutante e gay. Uau. Como você pode estar mais tranquilo que eu?". Até o momento, o x-man era visto como heterossexual, mas nunca tinha assumido qualquer identidade.
  • 12
    De coadjuvante a rock star
    DC Comics
    Desde que chegou às bancas em junho, a Canário Negro – figura conhecida pelos leitores dos quadrinhos da DC – lidera uma banda de rock. E os fãs adoraram a novidade. A série Black Canary tem bastante ação e mistérios protagonizados pela heroína – e conseguiu fazer da personagem mais que uma frequente coadjuvante de sempre em outros títulos da editora.
  • 13
    Um casal de supervilãs
    Reprodução/DC Comics
    As duas vilãs Arlequina e Hera Venenosa, da DC Comics, conhecidas por fazerem parte do universo Batman, sempre deixaram os leitores com a dúvida: elas são ou não são um casal? Em junho, durante uma conversa no Twitter, os roteiristas da revista Harley Quinn confirmaram: sim, elas são.


SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


Também no HuffPost Brasil:

Close
Mulheres brasileiras que arrebentam nos quadrinhos
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção