Huffpost Brazil

É possível saber quantas pessoas morreram de overdose de maconha no Brasil em 2015

Publicado: Atualizado:
Imprimir

O comentarista de arbitragem Arnaldo Cézar Coelho ficou célebre pelo bordão em que diz que "a regra é clara". A ciência é ainda mais.

Quantas pessoas morreram de overdose de maconha no Brasil no ano que acaba de se encerrar?

A resposta é simples: Z-E-R-O.

Zerinho. Ninguém.

Mas de onde vem tanta segurança? Dos números.

A Vice traz a explicação.

As drogas usadas na medicina em geral levam o chamado LD-50. A classificação LD-50 indica a dosagem com a qual 50% dos animais de teste que receberam determinada droga morreram com resultado da toxidade induzida. Vários pesquisadores têm tentado determinar a classificação LD-50 da maconha em teste com animais, sem sucesso. Simplificando, os pesquisadores não conseguem dar aos animais maconha suficiente para induzir à morte.

Um fumante teria, teoricamente, que consumir aproximadamente 680 quilos de maconha em cerca de 15 minutos para induzir uma resposta letal.

Ok, concordo plenamente que apenas um estudo não faz verão. E, bem, a pesquida da Força Administrativa de Narcóticos dos Estados Unidos (o temido DEA) é de 1988. E todos nós sabemos que de lá para cá a ciência avançou séculos e novas certezas brotaram enquanto outras afundaram de vez.

Que tal uma pesquisa que compare então a letalidade da maconha frente outras drogas?

Com vocês, aí vai uma matéria dos nossos parceiros da EXAME.com. Foram comparadas sete drogas recreativas (álcool, heroína, cocaína, tabaco, ecstasy, metanfetaminas e maconha):

Os pesquisadores afirmam que o álcool é 114 vezes mais mortal que a maconha. Para chegar a essa conclusão, eles compararam a dose usualmente consumida de cada droga com a dose considerada fatal.

A conclusão foi que consumidores de maconha ficam, normalmente, muito distantes da dose que seria mortal para eles. Por isso, a maconha foi a única das sete drogas classificada como tendo “baixo risco de mortalidade”. As demais foram distribuídas nas categorias de médio e alto risco.

O estudo foi publicado na revista Scientific Reports e foi coordenado por Dirk Lachenmeier, PhD em química de alimentos e toxicologia da universidade alemã de Karlsruhe, e Jürgen Rehm, diretor do Centro de Saúde Mental e Vícios de Toronto, no Canadá.

Na mesma linha segue uma pesquisa do Centers for Disease Control (CDC), nos Estados Unidos, outra sem vítimas da maconha.

weed sao paulo

O estudo publicado pelo Huffington Post informa que 17.465 pessoas morreram de overdose de drogas ilícitas (como heroína e cocaína) em 2014.

Já as drogas lícitas ou com prescrições médicas mataram até mais pessoas: foram 25.760 vítimas no mesmo período.

Mas, por enquanto, mesmo com avanços nos Estados Unidos, Chile, México, Uruguai, Espanha, Holanda e uma série de distintos países espalhados por todos continentes, o Brasil ainda não decidiu caminhar.

Você sabe: o Supremo Tribunal Federal (STF) segue sem uma definição.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


Também no HuffPost Brasil

Close
33 descobertas sobre a maconha
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção