Huffpost Brazil

Ex-ministro de Lula nega convite de Temer para Fazenda, mas se dispõe a ajudar...

Publicado: Atualizado:
HENRIQUE MEIRELLES
Henrique Meirelles, former president of Brazil's central bank, speaks during an event in New York, U.S., on Monday, April 18, 2011. Rio de Janeiro faces a shortage of hotel rooms for the 2016 Olympic Games, Meirelles said in New York. Photographer: Jin Lee/Bloomberg via Getty Images | Bloomberg via Getty Images
Imprimir

Ao deixar, neste sábado, o Palácio Jaburu, onde se encontrou com o vice-presidente Michel Temer, o ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles negou ter sido convidado para comandar a economia em um eventual governo Temer, mas destacou que, mesmo se não for ministro, estará disposto a ajudar.

Apontado como um dos possíveis indicados para o Ministério da Fazenda caso a presidenta Dilma Rousseff seja afastada do governo com o processo de impeachment, Meirelles disse que Temer mostrou uma “visão bastante correta e adequada da economia”.

“Pelas perguntas que Temer fez, me parece que ele está com uma visão bastante correta e adequada, o que eu acho muito positivo, sobre a economia.”

O ex-presidente do BC destacou que o mercado “reagirá bem” a medidas que sinalizem para o equilíbrio das contas públicas, mas ressaltou que não conversa sobre hipóteses.

michel temer

“Não converso sobre hipóteses. [Mas] os mercados tenderão a reagir ao direcionamento concreto com medidas que sinalizem uma sustentabilidade do estado brasileiro no longo prazo, com uma série de medidas pró-investimento, que possam viabilizar a economia, para que funcione de forma cada vez mais eficiente dentro da experiência que o Brasil já teve e tem e que nos estamos vendo em diversos outros países”, declarou.

Henrique Meirelles presidiu o Banco Central de 2003 a 2011, durante os dois mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva na Presidência da República. Antes de exercer a Presidência do Banco Central, foi presidente de Global Banking do FleetBoston Financial e presidente mundial do BankBoston.

Em 2002, foi eleito deputado federal pelo PSDB de Goiás. Com 183 mil votos, foi o deputado mais votado naquele ano no estado.

LEIA TAMBÉM:

- 'Nosso povo saberá impedir qualquer retrocesso', diz Dilma na ONU

- ASSISTA: Como foi o protesto em SP contra o impeachment de Dilma

- Em entrevista, Temer defende rito do impeachment: 'Como isso seria um golpe?'

- Em editorial, revista The Economist defende novas eleições no Brasil

Também no HuffPost Brasil

Close
Impeachment na Imprensa Internacional
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção