Huffpost Brazil

Profissional homossexual receberá indenização de R$ 25 mil de empresa que o forçou a buscar 'cura evangélica'

Publicado: Atualizado:
CULTO EVANGLICO
Reprodução
Imprimir

Um promotor de eventos receberá uma indenização de R$ 25 mil após ser demitido por ser gay. O profissional passou a ser perseguido no trabalho depois de assumir sua orientação sexual e deixar de ir ao culto evangélico frequentado pelos donos da empresa.

Segundo o trabalhador, após se afastar do culto, passou a ser convocado para reuniões com os sócios e com o pastor da igreja para "tratar da sua orientação sexual" e de seu retorno à entidade religiosa. Além de ouvir sermões, ele foi tratado como "pessoa inconstante", "sem caráter" e "ladão". Logo depois, foi demitido e desalojado da casa que alugava, nas dependências da empresa.

Intimada pela 7ª Vara do Trabalho de Florianópolis (Santa Catarina), a empresa não chegou a comparecer à audiência e foi condenada à revelia. Na avaliação do juiz Carlos Alberto Pereira de Castro, a empresa expôs o funcionário ao constrangimento.

"Trata-se de procedimento vexatório, que excede o limite de cobrança e gerenciamento, transformando-se em violação à intimidade e dignidade do empregado."

Além da indenização, a empresa foi condenada a restituir ao funcionário bens como fogão, geladeira e sofá, que ficaram retidos na empresa. Juntos, eles somam R$ 9,3 mil. A empresa não recorreu da decisão.

LEIA MAIS:

- JBS é condenada a pagar R$ 2 milhões por trabalho infantil na Seara

- Sancionada lei que proíbe revistas íntimas de funcionárias em locais de trabalho

Também no HuffPost Brasil

Close
10 gays assumidos que já ganharam Oscar
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção