Huffpost Brazil

Venezuela adota semana de DOIS dias úteis para funcionalismo para poupar energia

Publicado: Atualizado:
NICOLAS MADURO
JUAN BARRETO via Getty Images
Imprimir

O governo da Venezuela ordenou na terça-feira (25) que os servidores públicos só trabalhem dois dias por semana para economizar energia no país-membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), atualmente assolado por uma crise.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, já havia dado as sextas-feiras de folga para a maioria dos 2,8 milhões de funcionários públicos durante abril e maio para reduzir o consumo de eletricidade.

"A partir de amanhã, durante pelo menos duas semanas, teremos quartas, quintas e sextas-feiras como dias sem trabalho no setor público", disse Maduro em seu programa de televisão semanal.

Secas fizeram com que a água da principal represa e hidrelétrica da Venezuela diminuísse a níveis quase críticos. A represa abastece quase dois terços da energia da nação sul-americana.

A escassez de água e de eletricidade agravou o sofrimento dos 30 milhões de venezuelanos, que já enfrentam uma recessão brutal, a falta de itens básicos que vão de leite a remédios, preços em disparada e longas filas nos estabelecimentos comerciais.

Maduro, de 53 anos, que sucedeu o falecido Hugo Chávez em 2013 e cujos opositores estão tentando retirá-lo do cargo através de um referendo, apelou por compreensão e apoio.

"Guri se transformou virtualmente em um deserto. Com todas estas medidas, iremos salvá-lo", afirmou, acrescentando que a redução diária de água diminuiu de 20 para 10 centímetros.

Após meses de cortes de energia sem aviso prévio, o governo iniciou um racionamento programado nesta semana por todo o país, exceto na capital Caracas, desencadeando protestos ocasionais em algumas cidades.

Maduro também alterou o fuso horário para ter meia hora a mais de luz solar ao entardecer, exortou as mulheres a reduzirem o uso de eletrodomésticos como secadores de cabelo e obrigou os shopping centres a providenciarem geradores.

Quanto à medida para o funcionalismo público, o governo está excluindo trabalhadores de setores essenciais, como o de alimentação. Os salários continuarão sendo pagos integralmente, apesar da redução na carga de trabalho.

Também no HuffPost Brasil

Close
Hugo Chávez
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção