Huffpost Brazil

Esta mãe foi criticada sobre 'mimar demais' seu bebê por uma desconhecida e deu uma resposta que todos precisam ler

Publicado: Atualizado:
Imprimir

Mães são cotidianamente questionadas sobre o modo como criam seus filhos. Não importa qual seja o comportamento da mulher: parece que para a sociedade sempre há espaço para pitacos e julgamentos mil sobre a maternidade.

E não foi diferente com Kelly Dirkes, mãe americana cujo relato de uma desagradável experiência viralizou no Facebook.

No dia 25 de abril, ela fazia compras na Target, uma famosa loja de departamentos nos Estados Unidos, com sua filha presa em um canguru -- acessório para carregar bebês junto ao corpo que deixa as mãos livres.

De repente, uma desconhecida a abordou para dar uma opinião que não havia sido pedida: "Você mima demais este bebê, desse jeito ela nunca irá aprender a ser independente", afirmou a estranha.

Kelly apenas sorriu para a moça, deu um beijo na testa de sua filha e continuou a fazer suas compras. Quando chegou em casa, no entanto, resolveu escrever em seu perfil do Facebook uma carta -- muito emocionante, diga-se -- em resposta ao comentário da mulher:

"Se você soubesse o que eu sei.
Se você soubesse como ela passou os primeiros dez meses de sua vida completamente sozinha dentro de um berço de metal estéril, sem nada para confortá-la a não ser chupar os dedos.
Se você soubesse como o seu rosto ficou no momento seu cuidador orfanato entregou-a para mim pela primeira vez - fugazes momentos de serenidade misturados com puro terror. Ninguém nunca a tinha abraçado assim antes, e ela não tinha idéia do que ela deveria fazer."

Veja a carta traduzida na íntegra:

"Querida mulher do Target,

Eu já ouvi isso antes, você sabe. Que eu "mimo este bebê". Você estava convencida de que ela nunca aprenderia a ser "independente". Eu sorri para você, beijei a cabeça dela e continuei as minhas compras.

Se você soubesse o que eu sei.

Se você soubesse como ela passou os primeiros dez meses de sua vida completamente sozinha dentro de um berço de metal estéril, sem nada para confortá-la a não ser chupar os dedos.
Se você soubesse como o seu rosto ficou no momento seu cuidador orfanato entregou-a para mim pela primeira vez - fugazes momentos de serenidade misturados com puro terror. Ninguém nunca a tinha abraçado assim antes, e ela não tinha idéia do que ela deveria fazer.
Se você soubesse que ela ficava deitada em seu berço depois de acordar e sem nunca chorar - porque até agora, ninguém iria responder.
Se você soubesse que a ansiedade era uma parte normal do seu dia, assim como bater a cabeça nas grades do berço e balançar-se para ter algum estímulo sensorial e conforto.
Se você soubesse como esse bebê no carregador é dolorosamente "independente" - e como vamos gastar minutos, horas, dias, semanas, meses e anos tentando substituir a parte de seu cérebro que grita "trauma" e "inseguro".

Se você soubesse o que eu sei.

Se você soubesse que aquele bebê agora choraminga quando é colocada no chão, em vez de fazê-lo quando alguém a pega.
Se você soubesse que este bebê "canta" com o topo de seus pulmões no período da manhã e depois de sua soneca, porque ela sabe que essa sua conversa vai trazer alguém para tirá-la de seu berço e trocar sua fralda.
Se você soubesse que este bebê se balança para dormir nos braços de sua mãe ou de seu pai , em vez de embalar-se sozinha.
Se você soubesse que este bebê fez todo mundo chorar o dia que ela estendeu a mão para ter conforto, totalmente espontâneo.

Se você soubesse o que eu sei.

"Mimar este bebê" é o trabalho mais importante que eu terei e é um privilégio. Vou continuar carregando por mais um tempo - ou até quando ela me deixar carregá-la - porque ela está aprendendo que está segura. Que ela pertence. Que ela é amada.

Se ao menos você soubesse..."

A postagem viralizou nas redes sociais e atingiu mais de 20 mil compartilhamentos em duas semanas.

Kelly é casada e tem outra filha mais velha. As duas meninas tem síndrome de down.

LEIA MAIS:

- Pare de romantizar a maternidade: Mães são pessoas!

- Estas fotos mostram mães detonando estereótipos sobre a maternidade

- Lado negativo da maternidade ainda é tabu, afirma psicóloga

Também no HuffPost Brasil

Close
O amor universal entre mães e filhas
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção