Huffpost Brazil

Quem é Waldir Maranhão, que vai substituir Cunha na presidência da Câmara

Publicado: Atualizado:
WALDI MARANHAO
Reprodução/Facebook
Imprimir

Com o afastamento de Eduardo Cunha do mandato de deputado, o vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA) assume o comando da casa.

Assim como Cunha, Maranhão também é investigado pela Operação Lava Jato. Parte da bancada ruralista, ele foi deputado federal pelo PSB entre 2007 e 2011 e ocupou o cargo de secretário estadual de Ciência, Tecnologia, Ensino Superior e Desenvolvimento Tecnológico entre 2009 e 2010.

Em depoimento, o doleiro Alberto Youssef, delator da Lava Jato, apontou Maranhão como um dos parlamentares beneficiados pelo esquema de corrupção e desvios na Petrobras. O deputado do PP também é alvo de dois inquéritos no Supremo em que é acusado de crimes de lavagem de dinheiro e ocultação de bens.

Com pouca expressão dentro da Câmara, a possibilidade de que Maranhão presidisse a Câmara foi comparada por governistas e oposicionistas à gestão de Severino Cavalcanti (PP-PE). Acusado em 2005 de cobrar propinas de empresários que administravam restaurantes na Câmara, Severino renunciou ao mandato às vésperas da instauração de processo disciplinar no Conselho de Ética porque não conseguia mais presidir a Casa. Sempre que ele tentava presidir as sessões, havia tumulto.

Eleito em fevereiro de 2015 com o apoio de Cunha e por meio de um grande acordo partidário, Maranhão votou contra o impeachment de Dilma Rousseff e foi destituído da presidência do diretório estadual do PP, que estava com a bancada dividida mas que orientou os deputados a votarem a favor do afastamento da presidente.

"Acredito que amanhã renasce o meu país. Não haverá nem vencedores, nem vencidos", disse. "Nunca estive de um lado ou do outro, mas sim, estive avaliando processo político", disse Waldir ao Correio Braziliense no dia da votação.

Também no HuffPost Brasil

Close
Impeachment na Imprensa Internacional
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção