Huffpost Brazil

Zezé Polessa diz ter feito aborto e defende descriminalização: 'Foi uma decisão difícil, mas foi uma decisão'

Publicado: Atualizado:
Imprimir

zezé polessa

A atriz Zezé Polessa, de 62 anos, vive uma curandeira com fama de "bruxa" na novela Liberdade, Liberdade, da Rede Globo.

A personagem usa métodos não convencionais para, entre outras coisas, realizar abortos em meninas de Vila Rica, em Minas Gerais.

Falando sobre o assunto em entrevista para a revista Quem, Zezé disse ser contra a criminalização e assumiu ter feito um aborto quando mais jovem:

ela é uma curandeira solitária, com fama de ser “bruxa”, que utiliza seus conhecimentos com plantas para, entre outras coisas, fazer abortos nas meninas de Vila Rica. O assunto, para Zezé, não é tabu. Ela defende a descriminalização do aborto: "Foi uma decisão difícil, mas foi uma decisão".

Confira os principais trechos da conversa com repórter Elizabete Nunes:

Você já fez aborto?
Zezé Polessa: Ah... (longo silêncio) Está bom, vamos falar sobre isso. No sexto ano de medicina, tive contato em um hospital com dois pacientes com rubéola, casos graves, e acabei pegando a doença. Só que estava grávida, no primeiro mês ainda, e nem sabia. Na época, a estatística era bem alta para cegueira e não quis (ter o bebê). Procurei o hospital, falei o que estava acontecendo, que contraí a doença trabalhando. Eu quis fazer um aborto. Aí começou um processo, até que uma hora um médico me disse: ‘”Olha, melhor resolver isso, porque está demorando tanto que você pode se prejudicar”. E fiz. É essa a situação agora das grávidas que contraem zika. Elas precisavam ter apoio médico! Foi uma decisão difícil, mas foi uma decisão.


Você é a favor do aborto?
Sou a favor da vida, dos casais terem seus filhos. Mas acho também que não pode ser um crime. Sou a favor da descriminalização e do apoio do Estado, principalmente em casos em que são mais do que recomendados, como agora com essa epidemia de zika. Sobre as coisas do corpo cada pessoa é que deveria decidir o que fazer.

LEIA TAMBÉM:

- Líder da Comissão da Mulher votou a favor de dificultar aborto após estupro

-
ONG denuncia estado de Goiás por negar a uma mulher o acesso ao aborto legal

- O SOS de L., grávida do estupro, maltratada pela rede pública

Também no HuffPost Brasil

Close
Fotos contra o estigma sobre o aborto
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção