Huffpost Brazil
Grasielle Castro Headshot

Mesmo afastado, Eduardo Cunha ainda está mandando na Câmara

Publicado: Atualizado:
EDUARDO CUNHA
EVARISTO SA via Getty Images
Imprimir

Afastado da presidência da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) nunca deixou de estar presente nas decisões que a Casa vem tomando nos últimos dias. Até na atitude do presidente interino Waldir Maranhão (PP-MA) de anular e revogar a anulação da votação que deu prosseguimento ao impeachment, Cunha teve seu papel.

Da residência oficial, ele articulou com aliados próximos a Maranhão uma maneira de fazer o parlamentar desistir da decisão. Ao mesmo tempo em que cuidou para divulgar uma nota condenando o ato, classificando-o como irresponsável.

Uma das estratégias para tirar Maranhão da presidência da Câmara veio de Eduardo Cunha. Em reunião com o deputado Arthur Lira (PP-AL), Cunha instruiu o aliado a pressionar Waldir Maranhão para pedir para sair ou expulsá-lo do partido. A expulsão, na avaliação imediata de Cunha, consequentemente tiraria o deputado do posto.

O problema, apontado por Lira, é que Cunha havia esquecido de uma regra que ele mesmo avalizou. Uma interpretação do peemedebista enquanto exercia a presidência permite que o cargo continue com o parlamentar.

Outra sugestão de Cunha foi pressionar o deputado a renunciar. Com a insistência de Maranhão em permanecer no comando da Casa, restou a Cunha costurar uma estratégia para mantê-lo como presidente em exercício e garantir seu cargo de presidente.

A insistência de Cunha em decidir o futuro de Maranhão também é uma estratégia de sobrevivência. Parlamentares que estiveram com o peemedebista nos últimos dias dizem que Cunha garante que volta para a Câmara.

Certeza

Apesar da decisão unânime do Supremo Tribunal Federal em afastá-lo, Eduardo Cunha está convicto de que retornará ao comando da Casa. Por isso, articula para que não declarem vacância da cadeira.

“Ele é contra a ideia de novas eleições. Tem certeza que regimentalmente não há brecha”, diz ao HuffPost Brasil o líder do PSD, Rogério Rosso, que almoçou com Cunha no dia seguinte ao afastamento do peemedebista.

Nos bastidores, os deputados comentam que a base de Cunha ainda é muito firme e forte na Casa.

“Vamos ter que esperar algumas semanas para ver se o poder dele vai diminuir. Ele continua mandando como se ainda presidisse a Casa. Ele dá palpite no que deve ir à pauta e em como os encaminhamentos devem ser feitos”, diz um integrante do Conselho de Ética da Câmara.

O temor de alguns parlamentares da tropa de choque de Cunha é que, de alguma forma, ele volte e haja retaliação aos que não o defenderam.

Também passou pelo crivo do parlamentar as indicações dos novos líderes de governo e do Congresso do governo Michel Temer. Tanto Jovair Arantes (PTB-GO), que relatou o impeachment na Câmara, quanto Rodrigo Maia (DEM-RJ), indicados para os cargos, são aliados de Cunha.

LEIA TAMBÉM:

- Esta é a maior crise política da história do Brasil?

- Em um tweet, Eduardo Cunha deixa seu recado final para Dilma

- Maranhão e Cunha: Heróis de duas faces de uma moeda chamada farsa política

Mais no HuffPost Brasil:

Close
Lava Jato: PF chega à casa de Cunha
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção