Huffpost Brazil

Estudo revela mais um efeito colateral do paracetamol

Publicado: Atualizado:
PARACETAMOL
shutterstock
Imprimir

Poucas semanas depois de um estudo realizado pela Universidade de Toronto, no Canadá, apontar que o paracetamol – princípio ativo de medicamentos como o Tylenol – pode prejudicar a concentração de pacientes, uma pesquisa conduzida por outro grupo de pesquisadores promete fazer você pensar ainda mais antes de ingerir a substância.

Isso porque cientistas da Universidade Estadual de Ohio, nos EUA, concluíram que a droga também pode comprometer a sua capacidade de sentir empatia pela dor de outras pessoas – seja esta de natureza física ou emocional.

Os experimentos foram feitos com mais de 200 estudantes.

Segundo os responsáveis pela pesquisa, a descoberta preocupa pois a aptidão de reconhecer o sofrimento do outro é fundamental em diversos momentos de nossa vida, tanto pessoal, quanto profissional.

A apreensão aumenta por conta da popularidade da substância e a frequência com que seus consumidores a tomam.

De acordo com a Associação de Cuidados com a Saúde do Consumidor dos Estados Unidos, o paracetamol é um ingrediente presente em mais de 600 medicamentos.

Experimento

A nova pesquisa, publicada no periódico científico Social Cognitive and Affective Neuroscience, partiu da análise de grupos de controle feita em três etapas.

Em um primeiro momento, os voluntários foram intimados a beber um líquido incolor. Enquanto metade deles ingeriu um copo com 1.000 mg de paracetamol, a outra metade tomou um placebo.

Em seguida, todos os participantes tiveram que avaliar o nível de dor sofrido por personagens em vários cenários ficcionais. Em alguns momentos, a dor era física; em outros, emocional.

De forma geral, os voluntários que tomaram o medicamento consideraram a dor dos personagens menos intensa do que aqueles que não haviam ingerido a substância.

Um segundo experimento fez com dois outros grupos ouvissem um ruído bastante incômodo. Em seguida, os participantes deveriam avaliar o desconforto dos outros.

Mesmo sentindo na própria pele a intensidade do barulho, aqueles que haviam tomado a substância avaliaram a dor dos colegas como diminuta.

Em um último cenário, os participantes deveriam julgar casos em que outras pessoas passassem por algum tipo de rejeição social. Mais uma vez, aqueles que tomaram o remédio demonstraram níveis de empatia baixos.

Apesar dos resultados reveladores do laboratório, os cientistas não sabem ainda a forma exata como a droga atua em nosso organismo.

A hipótese mais plausível é que ela afete uma região do cérebro chamada ínsula anterior, fundamental para a resposta empática.

Assumindo que a empatia é a capacidade de reconhecer a situação do outro mesmo quando estamos em momentos opostos, fica claro por que, sob o efeito de um medicamento analgésico que compromete esta aptidão, a dor de outras pessoas nos pareça menor.

Sem a empatia, o quanto menos a pessoa sentir dor, menos identificará a dor do outro.

Também no HuffPost Brasil

Close
Sisters Of The Valley, as freiras que fazem remédios com maconha
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção