Huffpost Brazil

Estas mexicanas mostram o que acontece quando assediadores são confrontados nas ruas (VÍDEO)

Publicado: Atualizado:
Imprimir

O assédio sexual nas ruas, em formato de cantada, fiu fiu, expressões sexuais e até xingamentos é algo que atinge todas as mulheres no mundo.

Pensando na dificuldade diária em sair de casa, sentir-se constrangida e com medo, um grupo quatro mulheres da Cidade do México, que se autointitula Morras, resolveu confrontar os assediadores para descobrir quais seriam suas reações.

Para isso, as meninas andaram durante um dia inteiro pelas ruas da Cidade do México e gravaram tudo com uma câmera escondida.

O vídeo, postado na página do Facebook do grupo, alcançou mais de 1 milhão de visualizações no YouTube e mil compartilhamentos nas redes sociais.

morras

Durante o vídeo alguns homens se sentem constrangidos quando elas questionam: "O que você disse?", "Se você não me conhece, não fale comigo".

Outros, no entanto, não sentem vergonha alguma, repetem a cantada e até mesmo chegam a perseguir as meninas e se masturbar na frente delas.

Outras experiências parecidas já foram feitas por mulheres ao redor do mundo.

A atriz Shoshana Roberts se ofereceu, em outubro 2014, para andar 10 horas pelas ruas de Nova York, em silêncio, e expor quão violento é o assédio sexual pelo qual as mulheres passam.

O vídeo, chamado 10 hours of Walking in NYC as a Woman, ficou famoso na internet pelo seu resultado: Ela sofreu um assédio a cada seis minutos. Depois de publicar a campanha, Shoshana ainda se tornou vítima de ameaças de estupro na web.

No Brasil, em agosto de 2015, a editora-chefe de O Olho, um portal do Piauí, resolveu fazer o mesmo experimento andando durante duas horas pelas ruas do centro e da zona sul de Teresina com uma câmera escondida. O resultado foi mais de 15 assédios sofridos nesse meio tempo.

Chega de Fiu-Fiu

A definição de assédio sexual, adotada pela Comissão Europeia em 1987 diz que ele é categorizado como "uma conduta verbal ou física de natureza sexual cujo autor sabe ou deveria saber que é ofensiva à vítima."

Mas algumas pessoas ainda têm dificuldade ao entender por que aquele "fiu, fiu" no meio da rua é ofensivo. Segundo a blogueira feminista e organizadora do projeto #EuNãoMereçoSerEstuprada, Nana Queiroz,, ele é ofensivo porque não é um elogio, é uma manifestação de poder.

"Quando um homem se refere ao seu corpo como se ele fosse um objeto de apreciação sexual, na verdade, ele está dizendo que tem usufruto do seu corpo, nem que seja no olhar e comentar", ela conclui.

A pesquisa Chega de Fiu Fiu, feita e divulgada no ano passado pelo Think Olga, comprova o que acontece nas ruas: Milhares de mulheres foram entrevistadas e cerca de 99,6% disseram que já sofreram algum tipo de assédio sexual. Ao descrever o que cada uma delas sentiram quando foram abordadas desta forma, maioria escolheu a palavra medo. O site hoje conta com um espaço para que mulheres de todo o Brasil possam compartilhar suas denúncias de assédio.

No início do mês de março de 2016, O HuffPost foi às ruas perguntas às mulheres o que elas estavam mais cansadas de escutar quando saíam de casa:

LEIA MAIS:

- É assim que pais reagem ao ver suas filhas levando cantadas (VÍDEO)

- 'Vamos juntas?': Movimento quer unir mulheres que se sentem inseguras na rua

- 20 ideias de como o mundo seria melhor se não houvesse assédio

Também no HuffPost Brasil

Close
Editoras do Huff contra o assédio nas ruas
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção