Huffpost Brazil

Ministro da Saúde reclama do tamanho do SUS. E quer que aborto seja debatido com a Igreja

Publicado: Atualizado:
Imprimir

ricardo barros

Em duas entrevistas diferentes, o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), tocou em dois pontos centrais: o tamanho e o custo do Sistema Único de Saúde (SUS) e o aborto.

Sobre o acesso à saúde, Barros afirmou à Folha que vai ser preciso que o Brasil repactue seu acerto com a população. O exemplo é a Grécia, que cortou as aposentadorias. Segundo ele, o Orçamento deste ano não sustentará as obrigações do Estado.

"Temos de chegar ao equilíbrio entre o que o Estado tem condições de suprir e o que o cidadão tem direito de receber".

Confira o trecho principal da fala do ministro à Folha:

Mais de 1,3 milhão de pessoas deixou de ter planos de saúde no último ano. Isso vai sobrecarregar ainda mais o SUS...

A ANS precisa ser mais ágil na regulação. A judicialização na área dos planos tem obrigado que eles façam reajustes muito acima da inflação. Cada vez que uma decisão judicial determina incluir um procedimento na cobertura do plano, aumenta o custo e ele tem que repassar para o consumidor.

Isso acaba prejudicando a todos os usuários, encarecendo o sistema e fazendo com que mais pessoas deixem de ter planos. Quanto mais gente puder ter planos, melhor, porque vai ter atendimento patrocinado por eles mesmos, o que alivia o custo do governo em sustentar essa questão.

Não deveria ser o contrário, estímulo para um SUS melhor, já que pagamos impostos e temos direito à saúde?
Todos os cidadãos já pagam pela saúde, todos os cidadãos já pagam pela segurança. No entanto, os gastos com segurança privada são muito superiores aos da segurança pública. Infelizmente, a capacidade financeira do governo para suprir todas essas garantias que tem o cidadão não são suficientes.

Não estamos em um nível de desenvolvimento econômico que nos permita garantir esses direitos por conta do Estado. Só para lembrar, a Previdência responde por 50% das despesas do Orçamento da União. O Estado acaba sendo um fim em si mesmo, e não um meio. O que adianta o médico sem remédio, o pedreiro sem o tijolo, o motorista sem o combustível. Nada. Não presta serviço para a comunidade.

O que fazer? Mudar a Constituição, que determina que a saúde é um direito universal?

A Constituição cidadã, quando o Sarney sancionou, o que ele falou? Que o Brasil iria ficar ingovernável. Por quê? Porque só tem direitos lá, não tem deveres. Nós não vamos conseguir sustentar o nível de direitos que a Constituição determina.

Em um determinado momento, vamos ter que repactuar, como aconteceu na Grécia, que cortou as aposentadorias, e outros países que tiveram que repactuar as obrigações do Estado porque ele não tinha mais capacidade de sustentá-las. Não adianta lutar por direitos que não poderão ser entregues pelo Estado. Temos que chegar ao ponto do equilíbrio entre o que o Estado tem condições de suprir e o que o cidadão tem direito de receber.

brazilian hospital

Já para o Estadão, o ministro afirmou que o País vai precisar discutir o aborto no Brasil, já que há um grande número de procedimentos e mortes. "Como é o crack. É uma entre outras mazelas que precisam ser cuidadas pelo poder público". E pediu a presença da Igreja no tema.

Como o senhor pretende tratar o tema do aborto?

Esse é um tema delicado. Recebi a informação de que é feito 1,5 milhão de abortos por ano. Desse total, 250 mil mulheres ficam com alguma sequela e 11 mil vão a óbito. Esse é um tema que vou estudar com muito carinho com nossa equipe. Vou ver com o governo qual será nossa diretriz para agir nessa direção. Essa é uma decisão de governo. Não de um ministério, algo que possa ser decidido individualmente.

O senhor considera aborto um problema de saúde pública?

Esse é um problema que existe e precisa ser cuidado. Como é o crack. Como tantas outras mazelas da sociedade que precisam ser cuidadas pelo poder público. Mas a maneira como vamos abordar isso vai depender de discussões. Vamos ter de conversar com a Igreja. A decisão do ministério não deve provocar resistência ou discussão. Temos de ajustar. Antes de propor uma política para isso, vamos ter de realizar um diálogo muito amplo.

A revista Época, em matéria publicada nesta terça-feira, afirma que o maior doador individual da campanha de Ricardo Barros para deputado federal em 2014 foi Elon Gomes de Almeida, sócio do Grupo Aliança, administradora de benefícios de saúde. Elon doou R$ 100 mil para a campanha do novo ministro.

Recuo

Após a repercussão negativa, o ministro recuou. Em fala à Folha, Barros disse que o "SUS está estabelecido". "Para que possamos ampliar o SUS, teremos que repactuar a divisão de recursos que existe entre as diversas áreas do governo".

LEIA TAMBÉM

- Mesmo afastado, Eduardo Cunha continua mandando na Câmara

- Preparem os bolsos: Ajuste fiscal será prioridade do governo Temer

- Eu? Não! Tiririca tira bigode para não ser confundido com Waldir Maranhão

Também no HuffPost Brasil

Close
Os ministros de Temer
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção