Huffpost Brazil

Rosa Weber dá prazo de 10 dias para Dilma explicar por que é golpe

Publicado: Atualizado:
ROSA WEBER E DILMA
Montagem/STF/GettyImages
Imprimir

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, deu um prazo de dez dias para a presidente afastada Dilma Rousseff responder, se quiser, um questionário no qual é exigido que se explique por que chama o impeachment de golpe.

O questionário atende uma ação ajuizada por deputados que faziam oposição ao governo da petista. Na ação, os deputados alegam ainda que a petista deixa "a nação em dúvida, recomendando, portanto, a presente interpelação, a fim de que possa explicar qual a natureza, os motivos e os agentes desse suposto 'golpe’”.

A ministra fez seis perguntas a presidente afastada:

1)A Interpelada ratifica as afirmações – proferidas em distintos eventos – de que há um golpe em curso no Brasil?
2) Quais atos compõem o golpe denunciado pela Interpelada?
3) Quem são os responsáveis pelo citado golpe?
4) Que instituições atentam contra seu mandato, de modo a realizar um golpe de estado?
5) É parte desse golpe a aprovação, pelo Plenário da Câmara dos Deputados, da instauração de processo contra a Interpelada, por crime de responsabilidade, nos termos do parecer da Comissão Especial à Denúncia por Crime de Responsabilidade 1/2015, dos Srs. Hélio Pereira Bicudo, Miguel Reale Junior e Janaina Conceição Paschoal?
6) Se estamos na iminência de um golpe, quais as medidas que a Interpelada, na condição de Chefe de Governo e Chefe de Estado, pretende tomar para resguardar a República?

Na petição, a ministra ressalta que o "pedido de explicações fundado no art. 144 do Código Penal constitui providência facultativa”.

Advogado da presidente afastada, José Eduardo Cardozo, tem dito que considera a ação golpe porque há uma ruptura da Constituição.

"Portanto, um golpe, que é expressão política que traduz uma ruptura institucional e uma violência constitucional. Então, portanto, onde está o espanto? Não gostaram da palavra golpe. Eu disse na minha defesa que fiz no Senado, talvez a palavra golpe incomode tanto porque ela expressa uma realidade que se quer esconder", disse ao HuffPost Brasil.

LEIA TAMBÉM:

- Ministro revoga decisão de Dilma que autorizava contratação de 11.250 moradias

- Conheça o ministro de Temer que votou contra o impeachment de Dilma

- 'Os brasileiros começam a entender a incoerência do impeachment', aposta Cardozo

Mais no HuffPost Brasil:

Close
Impeachment e Renúncias na América do Sul
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção