Huffpost Brazil

O número de suicídios nos EUA vem subindo de modo alarmante

Publicado: Atualizado:
SUICIDIO
Novo relatório do governo revela que não estamos nem sequer perto de enfrentar o problema do suicídio no país | Getty Images
Imprimir

Se você ainda precisava de alguma prova de que os transtornos de saúde mental são um problema de saúde pública, é só pensar no índice de suicídios, que não parou de crescer nos últimos 15 anos.

As mortes por suicídio aumentaram 24% entre 1999 e 2014, segundo uma análise de americanos a partir de 5 anos de idade feita por pesquisadores dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), nos Estados Unidos.

Os pesquisadores do CDC não conseguiram definir por que o índice está subindo (os fatores que contribuem para as doenças mentais e a automutilação são múltiplos), mas os resultados do estudo soaram um alarme altíssimo: o suicídio hoje é a décima maior causa de mortes nos Estados Unidos.

“O suicídio não é apenas um problema de saúde mental, é um problema de saúde pública, e é evitável”, disse KristinHolland, cientista comportamental junto à Divisão de Vigilância para a Prevenção de Violência, do CDC. “Existem vários programas que comprovadamente são eficazes na prevenção do suicídio, e aqui no CDC continuamos a avaliar estratégias inovadoras para a prevenção do suicídio.”

O aumento do índice de suicídio afeta quase todos os grupos demográficos étnicos e raciais, mostrando que os problemas de saúde mental e o estigma ligado a eles afetam a todos.

O suicídio muda de cara

O aumento acontece principalmente entre homens e mulheres brancos, mas as comunidades de indígenas americanos e indígenas do Alaska apresentaram os maiores aumentos percentuais em um período de 15 anos, corroborando cifras anteriores do CDC.

Entre todas as faixas etárias masculinas, os suicídios aumentaram mais entre os homens da faixa dos 45 aos 64 anos: uma elevação de 43% nos últimos 15 anos.

Mas o aumento dos suicídios entre mulheres jovens chamou a atenção dos autores do estudo, segundo a pesquisadora colaboradora Sally Curtin, especialista em estatística. O número de mortes por suicídio de meninas de 10 a 14 anos foi relativamente baixo em comparação com outras faixas etárias, mas representou o maior aumento percentual – nada menos que 200% -- entre 1999 e 2014, comparado ao período anterior.

Nos Estados Unidos, o suicídio ainda é um fenômeno que afeta principalmente homens brancos; 83% dos 33.113 homens que morreram por suicídio no país em 2014 foram brancos. Mas o maior aumento percentual ocorreu entre a população indígena americana e do Alaska. O índice de suicídio de mulheres desses grupos subiu 89% entre 1999 e 2014, e o dos homens desse grupo subiu 38%.

quadro

Aumento do índice de suicídios nos EUA entre a maioria dos grupos
Suicídios por 100 mil pessoas

Homens

  • Indígenas americanos, indígenas do Alasca 27.4
  • Brancos 25.8
  • Hispânicos 10.3
  • Negros 9.7
  • Asiáticos ou nativos das ilhas do Pacífico 8.9
  • Indígenas americanos, indígenas do Alasca 8.7
  • Brancos 7.5

Mulheres

  • Asiáticas, nativas das ilhas do Pacífico 3.5
  • Hispânicas 2.5
  • Negras 2.1

Entre 1999 e 2014 o índice de suicídio de mulheres brancas também subiu muito – 60%. As brancas foram responsáveis por 83% das 9.660 mulheres que cometeram suicídio em 2014.

Os homens negros formam o único grupo racial e de gênero cujo índice de suicídios caiu, tendo baixado 8% entre 1999 e 2014.

“A disparidade de gêneros está diminuindo entre todos os grupos menos os asiáticos”, disse Curtin. “Mas os aumentos percentuais foram maiores entre as mulheres, apesar de em termos numéricos os homens ainda estarem em número maior, em todos os grupos raciais.”

O aumento no índice de suicídios em diferentes grupos étnicos também varia conforme a idade. A taxa de suicídios entre homens e mulheres brancos, por exemplo, subiu mais no grupo etário da meia-idade, ou seja, dos 45 aos 64 anos. O índice de suicídios de mulheres negras e hispânicas dessa faixa etária também subiu. O maior aumento nos suicídios de homens indígenas americanos e do Alasca, 60%, se deu entre pessoas na faixa dos 25 aos 44 anos.

Para concluir, embora os números absolutos ainda sejam pequenos, o índice de suicídios de crianças brancas de 10 a 14 anos também subiu. No caso das meninas brancas, quase triplicou; entre os meninos, subiu 57%.

“Os números são pequenos, especialmente quando comparados a outras idades, mas o aumento percentual foi grande”, disse Curtin, falando dos suicídios de crianças. “Sempre que se vê um grande aumento percentual, como esse, é preciso prestar atenção.”

A realidade do estigma

Apesar das tendências alarmantes entre grupos etários, étnicos e de gênero específicos, Curtin diz que o mais importante do estudo é que ele traz uma visão geral de como a violência da pessoa contra ela própria vem impactando a população como um todo.

“Houve muitas pesquisas recentes sobre suicídio, mas a maioria focou subgrupos específicos, como as pessoas de meia-idade brancas, não hispânicas”, disse Curtin ao Huffington Post. “Nosso estudo revela um quadro mais amplo: o aumento quase constante do índice de suicídios desde 1999, entre homens e mulheres e envolvendo todos os grupos com até 75 anos.”

Pesquisadores do CDC esperam que os resultados da análise conscientizem as pessoas mais sobre a gravidade do suicídio e dos estereótipos negativos.

“O estigma tem um papel importante na saúde mental, mas também no suicídio de modo mais amplo, porque o suicídio não é apenas fruto de doenças mentais”, disse Holland. “Mesmo quando as pessoas em risco buscam atendimento de saúde, o estigma que cerca o suicídio pode impedi-las de falar desse assunto com seu médico.”

Para muitos especialistas, o aumento dos suicídios é decorrência de uma sociedade que não encara a doença mental com compaixão ou compreensão. Para combater o aumento no número de suicídios, é preciso combater o estigma que cerca os problemas de saúde mental.

“As pessoas têm medo de revelar quando estão com problemas de saúde mental, como a depressão, e tendem a sofrer em silêncio”, disse Keith Humphreys, professor de psiquiatria e ciência comportamental na Stanford Health Care, falando ao HuffPost. “Se as doenças mentais fossem mais aceitas, acho que teríamos menos suicídios. Precisamos falar mais desse assunto e dar mais apoio uns aos outros.”

O estigma é devastador para as pessoas e pode impedi-las de buscar tratamento. Humphreys destacou que é vital procurar um profissional médico se você ou um ente querido apresentarem sintomas de doença mental.

“É importante saber que há ajuda disponível”, ele disse. “Sabemos muito sobre como cuidar e controlar problemas de saúde mental. É um problema difícil, mas mais ainda se você o enfrenta sozinho. É muito melhor buscar o apoio do qual você precisa.”

Em outras palavras, é essencial tratar a saúde mental com o cuidado que ela exige e incentivar as pessoas em risco a buscar ajuda. A vida delas pode depender disso.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Menos tabu, mais informação: CVV organiza bate-papo em SP para prevenir o suicídio

- Ele ia se matar, mas foi salvo por um desconhecido. Agora ele dedica a vida a falar da saúde mental de crianças

- Alerta do Reino Unido: As pessoas estão tendo que cuidar da saúde mental por conta própria. E isso é perigoso

Também no HuffPost Brasil:

Close
11 coisas que as pessoas que se agridem querem que você saiba
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção