Huffpost Brazil

Na Índia, adolescentes que vivem na rua criaram o próprio jornal

Publicado: Atualizado:
CHANDNI EDITORA DO JORNAL
Adolescentes de rua na Índia lançam jornal próprio. | CHETNA
Imprimir

Um jornal está dando voz a adolescentes que são vistos, mas raramente ouvidos.

O “Balaknama”, ou “Voz das Crianças”, é um jornal produzido inteiramente por jovens que vivem ou trabalham nas ruas da Índia. A informação é do The Guardian.

Escrevendo em suas próprias palavras, os jovens jornalistas cobrem questões de direitos humanos que os afetam.

“Mandam na gente e nos tratam como lixo porque não há ninguém que fale por nós”, falou ao jornal britânico a editora do jornal, Chandni, que tem 18 anos. “Quando as autoridades falam dos direitos das crianças e adolescentes, estão falando das crianças que vão à escola, que têm casa e família. Ninguém pensa nas crianças que moram na rua ou que trabalham em casas e hotéis. Essas ainda não existem.”

adolescentes

Segundo a ONG Save the Children, mais ou menos 18 milhões de crianças e adolescentes vivem e trabalham nas ruas da Índia, mais que em qualquer outro país do mundo.

Um dos maiores problemas das crianças de rua é o trabalho infantil: nove em cada dez crianças de rua em Délhi trabalham – algumas como catadoras de lixo, outras como mendigas ou vendedoras ambulantes. Metade desses menores são analfabetos e mais de metade já foram vítimas de abusos.

“Este jornal é a voz que todos nós que sobrevivemos ao sofrimento nas ruas, nas casas de outras pessoas e em locais de trabalho péssimos, ganhando uma ninharia”, disse Chandni à BBC. “Falamos em nome de outros que continuam a lutar. O silêncio deles precisa ser ouvido.”

jornal
Chandni, 18 anos, é a editora do jornal das crianças de rua “Balaknama”.

Os repórteres do jornal são recrutados e treinados pela ONG Chetna, que trabalha com crianças de rua, informou o Hindustan Times.

De acordo com a rede Al Jazeera, os repórteres-mirins cobrem questões sociais e políticas que afetam as crianças de rua, como o trabalho infantil, casamento de menores de idade e abuso sexual.

Uma reportagem, por exemplo, informava às crianças de rua sobre como se manterem aquecidas e em segurança durante o inverno frio do norte da Índia.

“Vimos matérias na grande imprensa sobre como se manter aquecido, mas não havia nada ali para crianças que dormem na rua ou debaixo de pontes”, disse à emissora o repórter Kumar, de 17 anos.

“Então decidimos que nossa matéria de capa orientaria as crianças sobre onde encontrar abrigo durante o inverno.”

crianças com os seus jornais

Com mais de uma dúzia de repórteres em Délhi e três regiões vizinhas, o “
Balaknama sai mensalmente e tem milhares de leitores, diz o “Hindustan Times”.

Um ex-editor do jornal, Sanno, disse ao Guardian: “As crianças de rua se sentem sem valor algum, odiadas pelo mundo. Estamos tentando mudar isso.”

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Ela cancelou o casamento, mas resolveu fazer da cerimônia uma festa para crianças carentes

- Livro revolucionário permite que analfabetos transmitam suas histórias para as próximas gerações

- André, a superação em pessoa: A história de um ex-morador de rua que entrou no doutorado na UnB

Também no HuffPost Brasil:

Close
One Young World 2015: 21 jovens que lutam por um mundo melhor
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção