Huffpost Brazil

Meirelles indica ex-ministro de Dilma para presidência da Caixa

Publicado: Atualizado:
GILBERTO OCCHI
Marcelo Camargo / Agência Brasil
Imprimir

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, indicou, nesta quarta-feira Gilberto Occhi para a presidência da Caixa Econômica Federal. O comando do Banco do Brasil ficou a cargo de Paulo Caffarelli.

Membro do PP, Occhi foi ministro das Cidades da presidente afastada, Dilma Rousseff, entre março de 2014 e dezembro de 2014. Em janeiro de 2015 assumiu o Ministério da Integração Nacional. Ele deixou a pasta em abril, quando a sigla abandonou a base.

Formado em Direito, com pós-graduação nas áreas de finanças, mercado financeiro e gestão empresarial, Occhi é funcionário de carreira da Caixa Econômica Federal desde 1980.

O banco concentra a maior parte dos financiamentos imobiliários do país e que atua como agente financeiro no pagamento de programas sociais, como o Minha Casa Minha Vida.

Occhi é alvo de inquérito que apura a responsabilidade pelas “pedaladas fiscais”, motivo jurídico do impeachment de Dilma, de acordo com o G1.

Funcionário de carreira do Banco do Brasil, onde iniciou como menor aprendiz, Cafarelli é formado em Direito, com pós-graduação em Comércio Exterior e Mestrado em Economia pela Universidade de Brasília (UnB).

Já foi vice-presidente do Banco do Brasil e número dois do Ministério da Fazenda, durante a gestão de Guido Mantega, ministro de Dilma. Atualmente, atua como diretor executivo da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), onde estava desde março de 2015.

O novo presidente do BB faz parte do Conselho de Administração da CBSS Visavale (Alelo) desde 2014 e do Banco Votorantim desde 2009.

Também preside o Conselho de Administração da Brasilcap Capitalização desde 2010 e é suplente do Conselho de Administração da Transnordestina Logística S.A.

LEIA TAMBÉM

- Medidas econômicas anunciadas por Temer afetam diretamente as áreas sociais. Entenda

- Sem anunciar cortes imediatos e aumento de impostos, Temer quer teto de gastos públicos

- Governo Temer anuncia que rombo deixado por Dilma Rousseff é de R$ 170,5 bilhões

Também no HuffPost Brasil:

Close
Os ministros de Temer
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção