Huffpost Brazil

'A culpa nunca é da vítima': Celebridades usam as redes sociais para pedir o fim da cultura do estupro

Publicado: Atualizado:
Imprimir

O caso da menina de 16 anos que sofreu estupro coletivo em uma comunidade da zona oeste do Rio de Janeiro mexeu com todo o país.

De acordo com o site da revista Veja, a vítima foi levada na manhã de hoje para o setor de ginecologia do Hospital Maternidade Maria Amélia para fazer exames.

Ela passou a madrugada no Instituto Médico-Legal e já foi ouvida na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) - que investiga o caso. A polícia já identificou pelo menos quatro dos criminosos, que terão prisões preventivas pedidas.

Nesta quinta-feira (26), Monica Iozzi, Marília Grabiela e Paola Carosella foram algumas das celebridades que usaram as redes sociais para repercutir esse caso de crime brutal e, além disso, pedir o fim da cultura do estupro.

Veja, a seguir, algumas declarações:

Monica Iozzi


Marília Gabriela


Carla Salle

"Homens, não se calem diante de situações de violência contra as mulheres. Não compartilhem vídeos que reproduzem o machismo, que expõem e humilham as mulheres ou que perpetuam a cultura do estupro. Homens, façam um compromisso para impedir essa barbárie. Não ignorem os fatos. Usem seus espaços sociais para conscientizar outros homens."


Fernanda Vasconcellos

"Eu tiraria todos – um por um – de cima de você neste momento, limparia seu corpo, tiraria o som dos seus ouvidos, o cheiro deste lugar, as lembranças. Eu te levantaria daí e te levaria pra ver o pôr do Sol no Arpoador, se o mundo girasse ao contrário… Mas o mundo não gira. Que cada uma de nós seja porta voz do ocorrido, que nossas mãos sejam denúncia. Na violência contra a mulher todas metemos a colher. E que o mundo nos ouça: 'A CULPA NUNCA É DA VÍTIMA'. DENUNCIE."


Giselle Itié

Uma foto publicada por GiseLLe ItiÉ (@gitie) em

"A CULPA É... A culpa é daquele político que diminui as mulheres em suas falas e seus seguidores aplaudem. A culpa é da mídia que sexualiza as mulheres em todos seus produtos. A culpa é do jornal que faz pouco caso para os casos seguidos de estupro. A culpa é do grupo de whatsapp que viraliza vídeos íntimos. A culpa é da cultura machista que aceita tudo isso passivamente. A culpa é da cultura machista que faz tudo isso ativamente. A culpa é minha que faço parte dessa sociedade e pouco agi para muda-la. A culpa é do estuprador, que não se vê como tal e se sente no “seu papel de homem”. A culpa é dele. Dele. Especialmente dele. A culpa NÃO é da vítima. Nunca será da vítima. Bêbada, drogada, com roupa curta, sem roupa, não importa. A culpa jamais será da vítima. 30 homens estupraram uma mulher. 30. Filmaram. Não tiveram vergonha de seus atos e ainda divulgaram. Para quem pensa que isso é um caso isolado, saiba que a cada 11 minutos uma pessoa é estuprada no Brasil. 47.600 vítimas apenas em 2014. Como parar isso?"


Gaby Amarantos

"Lembro de quando eu era criança, sempre haviam casos de estupro coletivo e lembro também que a MULHER/VÍTIMA ainda era tratada como culpada, lembro de expressões do tipo "quem manda andar de roupa curta" ou "mas ela provocou" e outras barbaridades. Lembro de crescer em meio ao medo de ser abusada e de ser policiada a ter um comportamento neutro a fim de evitar chamar atenção dos homens. Na periferia isso é algo tão comum infelizmente, podia ser um parente, vizinho ou um desconhecido. Mas eu escolhi lutar e meu papel é criar meu menino para tratar as mulheres e todas as pessoas com respeito e amor. Não temos que criar mulheres para ñ serem estupradas e sim criar homens para não serem estupradores. Estou chocada, quero justiça e uma sociedade igualitária!"


Juliana Paes

"Todos! Digam juntos NÃO à violência contra mulheres! Vamos nos informar sobre o projeto #elesporelas e nos unir contra esse absurdo. Ninguém deve se calar diante de situações de violência contra as mulheres. Não compartilhem vídeos que reproduzam o machismo, que exponham e humilhem as mulheres ou que perpetuem a cultura do estupro.
Homens, vocês também são responsáveis e podem ajudar a impedir esse tipo de barbárie. Não ignorem os fatos! Usem seus espaços sociais para conscientizar outros homens.
O movimento #ElesPorElas existe exatamente por isso, para conquistar o apoio de todas as pessoas, inclusive dos homens, no combate à violência contra as mulheres. Todos juntos contra a violência. Para denunciar Ligue 180!"


Paola Carosella

LEIA MAIS:

- ‪#QueroUmDiaSemEstupro‬: Campanha ganha força nas redes sociais após estupro coletivo no Rio

- A violação de direitos 'mais tolerada no mundo' é o estupro

TAMBÉM NO HUFFPOST BRASIL:

Close
Opiniões chocantes sobre estupro
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção