Huffpost Brazil

Três fatos que explicam o boom dos clubes de assinatura

Publicado: Atualizado:
BIRCHBOXGOBOX
Cindy Ord/Getty Images
Imprimir

Tem sensação melhor do que chegar em casa, ver que aquele produto que você comprou pela internet chegou e abrir a caixa na maior alegria? Agora imagina se isso acontecesse todo mês, só com produtos que você curte.

Melhor vida, não é mesmo? Pois saiba que essa é uma situação muito real no mundo dos clubes de assinaturas, que só em 2014 gerou um faturamento de 5 bilhões de dólares nos EUA e agora vem crescendo no Brasil. Por aqui, já são mais de 300 mil clientes recebendo caixinhas.

11 milhões de assinaturas - uma São Paulo inteira

Segundo o site My Subscription Addiction essa é a estimativa atual do tamanho do mercado americano de clubes de assinatura. Seria equivalente à população de São Paulo, maior cidade da América Latina, não fosse o fato de que muitas pessoas acabam assinando mais de um serviço. O site já lista mais de 2 mil empresas e também faz resenhas e indicações. A mais famosa é a Birchbox, uma caixa com amostras de produtos de beleza. Custa 10 dólares por mês na versão feminina e 20 dólares na versão masculina. Criada em 2010, já tem mais de um milhão de assinantes e está avaliada em cerca de 500 milhões de dólares.

Curadoria de quem você conhece

Uma dos fatores mais importantes nos clubes de assinatura é a curadoria de conteúdo. A Quarterly convida celebridades que, a cada estação, definem o que será enviado para os assinantes, de acordo com suas recomendações. Os preços variam entre 50 e 100 dólares. Pharrell Williams e a própria Arianna Huffington são alguns dos nomes que já participaram. A última delas foi entregue no mês de maio. Assim como acontece com produtos de beleza, há marcas que fornecem seus produtos até de graça, em troca do endosso de uma celebridade. Quem ganha com isso é o assinante.

Espaço para todos os nichos

Embora grandes marcas - como Adidas, Sephora e Starbucks - tenham entrado recentemente no mercado, os interesses são tão diversos que há espaço para tudo que você imaginar: produtos para pets, comidas, livros, sex toys, vinhos, cervejas, brinquedos, fraldas, grãos de café, discos de vinil, entre outros. Pode ter certeza que vai existir alguma caixa que fale mais alto com seus interesses ou necessidades.

Lá fora, existem até negócios super pequenos, como se fosse a evolução da venda porta a porta. Tem família que trocou seu emprego tradicional por esse modelo de negócio, vendendo sabonetes orgânicos, livros para jovens adultos, ou até mesmo granola. O que importa é conquistar e fidelizar o cliente.

GoBox - uma plataforma de assinaturas

walter longogobox

De olho nesse mercado, o Grupo Abril decidiu lançar a GoBox, uma plataforma para a assinatura de produtos. Com investimento inicial de R$ 20 milhões, a expectativa é que o negócio alcance 200 mil assinaturas em três anos, faturando R$ 250 milhões. As assinaturas recorrentes devem ter um valor que vai variar de R$ 20 a R$ 250 por mês.

Além do investimento maciço em divulgação nas revistas, sites e redes sociais, a Abril detém todo o domínio logístico necessário para fazer os negócios dos parceiros prosperarem, já que há 40 anos trabalha com assinaturas. Também possui mais de 40 milhões de nomes no Abril Big Data e a experiência em conversar e produzir conteúdos segmentados para cada nicho. "É tudo que a Abril tem de melhor, seja por meio do serviço de assinantes, de nossas marcas e publicações e da distribuição”, sintetiza o presidente do Grupo Abril, Walter Longo.