Huffpost Brazil

Expansão do tratamento faz número de mortes provocadas pela Aids cair 26% nos últimos cinco anos

Publicado: Atualizado:
HIV
Positive HIV (human immunodeficiency virus) blood test results, computer illustration. | KTSDESIGN/SCIENCE PHOTO LIBRARY via Getty Images
Imprimir

O número de mortes provocadas pela Aids registrou uma queda de 26% nos últimos cinco anos no mundo. Os dados foram divulgados nesta terça-feira em um novo relatórioapresentado pelo Programa das Nações Unidas para a Luta contra Aids (Unaids). A queda no número de óbitos tem relação com o crescimento do número de pessoas fazendo o tratamento contra o HIV. Mais dois milhões de pessoas começaram a usar o antiretroviral em 2015, totalizando 17 milhões de pacientes em mais de 160 países.

Segundo a ONU, a cobertura do tratamento contra o HIV cresceu em nível global, especialmente na região mais afetada - o sul e leste da África - onde o acesso aos antirretrovirais passou de 24% em 2010 para 54% em 2015, o que possibilitou auxiliar mais de 10 milhões de pessoas.

"Pedimos a todos os países que aproveitem essa oportunidade sem precedentes para iniciar os programas de prevenção e tratamento contra a Aids com o objetivo de pôr fim à epidemia em 2030", disse o diretor-executivo da Unaids, Michel Sidibé, durante a apresentação do relatório em Nairóbi, capital do Quênia.

A redução da mortalidade foi maior entre as mulheres - 33% dos casos - em comparação aos homens - em 15% dos casos. De acordo com o relatório, isso ocorreu porque os homens decidem iniciar o tratamento de forma mais tardia.

Por outro lado, a quantidade de contágios praticamente não variou nos últimos anos. Em 2015, de acordo com a Unaids, foram registradas 2,1 milhões de transmissões da doença.

Na África Subsaariana, 25% dos novos contágios ocorreram entre os jovens. O índice sobe para 56% entre as mulheres de forma geral. "Isso ocorre devido às desigualdades de gênero, o acesso insuficiente à educação e serviços de saúde sexual e reprodutiva, além da pobreza, da insegurança alimentar e da violência", indicou o relatório do órgão das Nações Unidas.

A Unaids reiterou que a luta contra a Aids tem que dar maior ênfase aos trabalhadores sexuais, consumidores de drogas injetáveis, presos, transexuais e homossexuais, já que esses são os grupos que estão expostos a um maior risco de contágio.
"Acabar com a discriminação que ajuda (na propagação) da Aids é um dos desafios mais difíceis que nós enfrentamos, mas também um dos mais importantes", lembrou Sidibé.

Também no HuffPost Brasil

Close
Príncipes da Disney na prevenção da aids
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção