Huffpost Brazil

Como nossas bactérias intestinais podem ser usadas para tratar transtornos mentais

Publicado: Atualizado:
BACTRIAS
Novas pesquisas descobrem que a alteração da flora intestinal de camundongos muda seu funcionamento cerebral. | SCIMAT SCIMAT VIA GETTY IMAGES
Imprimir

Os trilhões de bactérias que vivem no intestino humano influenciam o funcionamento do nosso cérebro, nosso estado de ânimo e nosso comportamento.

Cientistas vincularam desequilíbrios nessa comunidade microbial a várias condições psiquiátricas, incluindo depressão, transtornos de ansiedade, autismo, esquizofrenia, transtorno obsessivo-compulsivo, ansiedade social, neurose... e a lista continua.

Novas pesquisas feitas por cientistas da IcahnSchoolof Medicine atMount Sinai, em Nova York, publicadasno periódico eLife, sugerem que a alteração das bactérias intestinais de pessoas doentes pode ajudar a aliviar condições psiquiátricas, além de determinadas transtornos que atacam a mielina no corpo humano.

A mielina forma uma camada protetora em volta dos axônios dos neurônios, aumentando a velocidade com que estes transmitem impulsos elétricos. Quando uma bainha de mielina é danificada, a comunicação entre neurônios é prejudicada, resultando nos marcadores neurológicos e comportamentais de transtornos mentais.

O estudo demonstrou que, quando bactérias intestinais de camundongos deprimidos foram transferidas para camundongos saudáveis, houve mudanças na bainha de mielina do cérebro dos camundongos saudáveis. E eles começaram a praticar os comportamentos de isolamento social que são característicos da depressão.

“Existe uma relação simbiótica entre os dois lados, humano e bacteriano.” Dr. Timothy Lu

Os pesquisadores destacaram o potencial de suas descobertas, em especial para o tratamento da esclerose múltipla. A EM é uma doença autoimune caracterizada por danos à bainha de mielina, e a depressão é comum entre as pessoas que apresentam a doença. Os pesquisadores destacaram que, alterando as bactérias intestinais dos pacientes, os médicos talvez possam melhorar o funcionamento da bainha de mielina e reduzir esses sintomas depressivos.

“O estudo traz a prova do princípio de que metabólitos intestinais têm a capacidade de afetar o conteúdo mielínico, independentemente da composição genética dos camundongos”, disse em comunicado a Dra. PatriziaCasaccia, professora de neurociências, genética, genômica e neurologia na escola de medicina e autora principal do estudo. “Temos a esperança de que esses metabólitos possam ser visados para potenciais tratamentos futuros.”

O momento atual é instigante para as pesquisas sobre o microbioma. Cientistas do MIT estão “pirateando” bactérias intestinais para criar “biótica sintética” – micróbios programados para realizar ações específicas no intestino, como detectar inflamações e criar moléculas anti-inflamatórias. Como os probióticos, essas bactérias vivas poderiam ser tomadas na forma de comprimidos.

“Somos uma espécie de recipiente ambulante dessas bactérias”, disse recentemente ao Huffington Post o Dr. Timothy Lu, engenheiro biológico no MIT que lidera a pesquisa sobre biótica sintética. “Existe uma relação simbiótica entre os dois lados, humano e bacteriano.”

Como exatamente os micróbios colonizam e controlam o corpo humano? Dê uma olhada nesse episódio de “Talk NerdyTo Me” para descobrir.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- É hora de dar fim à banalização do termo 'doença mental'

- Quando dá para dizer que você está 'tendo um ataque de pânico'?

- Quatro coisas que você deveria saber sobre o transtorno obsessivo-compulsivo

Também no HuffPost Brasil:

Close
Fotógrafa gatos depressão
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção