Huffpost Brazil

Molon, Jandira e Freixo fecham apoio contra Pedro Paulo nas eleições para Prefeitura do Rio

Publicado: Atualizado:
MOLON JANDIRA FREIXO
Reprodução / Facebook
Imprimir

Pré-candidatos à Prefeitura do Rio os deputados federais Alessandro Molon (Rede) e Jandira Feghali (PCdoB) e o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) fecharam um acordo de apoio mútuo em eventual segundo turno, contra o candidato do PMDB, Pedro Paulo, acusado de agredir a ex-esposa.

Secretário Executivo do Governo do Rio de Janeiro, Pedro Paulo anunciou nesta semana que irira se afastar das suas funções para se dedicar à campanha.

De acordo com Jandira, no acordo fechado nesta sexta-feira (3), foi definido um apoio para que "derrotar o campo conservador colocando a esquerda no segundo turno do Rio".

"As três candidaturas são legítimas. Há uma unidade construída, de diálogo, não em uma chapa única. Nós não éramos uma coisa só e nos dividimos. Pelo contrário, somos coisas diferentes, com caminhos próprios, e estamos nos organizando em uma pauta e em um debate permanente sobre a cidade", disse Freixo após a reunião.

Tanto o PT quanto o PCdoB retiraram o apoio à pré-candidatura Pedro Paulo depois que ele votou a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Os dois partidos se uniram então para lançar a pré-candidatura de Jandira.

Molon se filiou à Rede após sair do PT, onde não tinha apoio para disputar a prefeitura porque o partido apoiava até então o candidato do PMDB.

Maria da Penha

Pedro Paulo é acusado de agredir a ex-esposa, a turismóloga Alexandra Mendes Marcondes entre 2008 e 2010. Ele admitiu o crime em novembro do ano passado e foi exonerado do cargo de Secretário de Coordenação do Governo municipal do Rio.

Na época, Pedro Paulo tratou o episódio como uma “briga de casal” e disse que não se enquadrava na Lei Maria da Penha. Os registros de agressão apontam que ele deu socos no rosto e corpo da ex-mulher. Há também relatos de ofensas verbais a Alexandra, com xingamentos de “vagabunda” e “piranha”, entre outros.

As agressões de 2010 teriam sido motivadas por uma traição de Pedro Paulo. Após a divulgação da história, a ex-esposa minimizou o caso em entrevista à imprensa.

Na defesa entregue à Procuradoria-Geral da República, Pedro Paulo diz ter sido vítima da ex-esposa. Ele encaminhou um vídeo em que Alexandra diz que as agressões partiram dela. Há também um lado em que a defesa que contradiz as conclusões da Polícia Civil do Rio.

LEIA TAMBÉM


- Acusado de agredir ex-mulher vai concorrer à prefeitura do Rio. E tem o apoio do prefeito

- Apoiador de Pedro Paulo, Eduardo Paes adere à campanha contra cultura do estupro

- Acusado de violência doméstica, candidato à prefeitura do Rio quer uma vice mulher

Também no HuffPost Brasil:

Close
Rockstars da política: políticos que soltaram o lado artístico
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção