Huffpost Brazil

Pedido de prisão de Cunha aumenta pressão por cassação

Publicado: Atualizado:
EDUARDO CUNHA
President of the Chamber of Deputies Eduardo Cunha reacts during a seminar in Brasilia, Brazil August 18, 2015. REUTERS/Ueslei Marcelino/File Photo TPX IMAGES OF THE DAY | Ueslei Marcelino / Reuters
Imprimir

O pedido de prisão do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aumenta a pressão para o Conselho de Ética aprovar nesta terça-feira o relatório do deputado Marcos Rogério (DEM-RO), favorável a cassação do peemedebista.

Réu por corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Lava Jato, Cunha é acusado de mentir à CPI da Petrobras ao negar ter contas no exterior. As contas foram comprovadas pelas investigações do Ministério Público e da Polícia Federal.

Além do pedido de prisão de Cunha ao Supremo Tribunal Federal (STF) por suposta intervenção nas investigações, o procurado-geral da República, Rodrigo Janot, pediu também a prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP) e do senador Romero Jucá (PMDB-RR), pelo mesmo motivo.

O pedido de prisão de Cunha foi revelado pela TV Globo e os outros pelo jornal O Globo.

Primeiro a falar na sessão do Conselho, o deputado Nelson Marchezan (PSDB-RS) ressaltou a simbologia do pedido de Janot.

“Dá uma ideia de oxigenação, que as instituições estão cumprindo seu papel e tentando pelo menos punir aqueles que historicamente representam tudo aqui que a sociedade não quer na política. Tudo aquilo que a sociedade que ver como símbolo de justica, que é essses personagens da histoória da corrupção brasileria presos.”

O presidente do Conselho, deputado José Carlos Araújo (PR-BA), evitou responder se o pedido de prisão de Cunha irá afetar diretamente o resultado da votação no colegiado, mas reforçou que há clara interferência do peemedebista nos trabalhos da Casa, apesar do afastamento formal.

"O Conselho de Ética sente a cada instante os dedos do Eduardo Cunha", disse. Ele citou a participação de um consultor ligado ao peemedebista na elaboração do parecer do deputado Arthur Lira (PP-AL), que pode evitar a cassação do peemedebista.

Em resposta a uma consulta encaminhada pelo deputado Waldir Maranhão (PP-MA), em nome da Mesa, Lira determinou que podem ser apresentadas emendas ao projeto de resolução feito a partir do parecer de Rogério a fim de abrandar a pena.

Segundo o site da Veja, Lira teve ajuda do assistente técnico Lucas de Castro Rivas. Funcionário da liderança do Solidariedade, ele é considerado o conselheiro da tropa de choque de Cunha no Conselho.

Aliado de Cunha e primeiro a chegar para a sessão, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) não vê motivos para a prisão ou para a cassação do peemedebista. "Não existe nenhuma gravação de Eduardo Cunha tentando obstruir a Lava Jato de forma alguma", disse.

Ele sustenta que o presidente afastado da Câmara deveria ter uma pena mais leve no Conselho de Ética. "Uma eventual cassação de Cunha deve acontecer alicerçada em provas que só podem ser apresentadas no Supremo Tribunal Federal", completou.

O deputado Laerte Bessa (PR-DF) disse que acredita que Cunha "será condenado no Supremo", mas que não cabe à Câmara julgar o deputado. Ele justicou sua posição devido ao fato de o peemedebista ter aceitado o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

LEIA TAMBÉM

- Tia Eron: Voto decisivo sobre destino de Cunha é de admiradora do deputado

- Mais uma! Aliado de Eduardo Cunha tenta ajudá-lo a escapar da cassação

- 'Melhor argumento contra Cunha veio de Cláudia Cruz', diz autor do pedido de cassação

Também no HuffPost Brasil:

Close
Manifestações contra Cunha em SP, BH e BSB
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção