Huffpost Brazil

Governo Temer teme que pedidos de prisão afetem impeachment

Publicado: Atualizado:
Imprimir

temer renan juca

Os pedidos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de prisão de caciques do PMDB ao Supremo Tribunal Federal trouxeram grande preocupação ao Palácio do Planalto. A avaliação de interlocutores do presidente em exercício Michel Temer é de que o episódio pode atingir a governabilidade, com o atraso de votações importantes, principalmente das medidas econômicas que já estão no Congresso e as que ainda serão enviadas em breve.

Eles lembram que, além do recesso parlamentar em julho, em agosto as atenções estarão voltadas para os Jogos Olímpicos e as eleições, em seguida. Há preocupação também sobre o impacto dos pedidos no processo de impeachment de Dilma Rousseff, embora o Planalto diga que há convicção de que o número de votos que garantirá o afastamento definitivo da petista está consolidado.

Apesar do discurso, o fato de os peemedebistas que estão na mira da Procuradoria serem importantes caciques do partido também preocupa o governo, porque pode haver uma vinculação automática deles à imagem de Temer, o que pode desfavorecê-lo no impeachment.

O Planalto acompanhou a mobilização ontem dos senadores petistas que contavam com os pedidos de prisão para ajudar a agravar a instabilidade do governo Temer e a reverter votos de senadores indecisos na votação do impeachment.

Distância
A estratégia do presidente em exercício foi a de tentar se distanciar da crise, cumprir a agenda normalmente e tentar considerar o problema como algo restrito ao Congresso e ao STF. Interlocutores salientaram que a possível saída do presidente do Congresso, Renan Calheiros, do senador Romero Jucá e de Eduardo Cunha, do cenário político possa desarticular o "plano Temer".

Para tentar deixar Temer distante da crise, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) evitaram o tema. Ao deixar a reunião com líderes da Câmara, Geddel afirmou que os pedidos não causavam "nenhum constrangimento".

Padilha agiu de forma semelhante. "Em um outro momento, talvez (comente os pedidos). Agora, aqui, Olimpíada. Só quem pode responder é o dr. Janot, ele sabe porque fez, o que fez, o que escreveu e o que pediu. Eu não sei nada", disse o ministro da Casa Civil.

Lideranças do PT
Lideranças do PT no Senado não acreditam que a eventual prisão de líderes do PMDB seja suficiente para reverter os votos que a presidente afastada Dilma Rousseff precisa no processo de impeachment. Em tom ameno, os parlamentares evitam acusar o presidente do Senado, Renan Calheiros, e o senador Romero Jucá (PMDB-RR), mas defendem reservadamente a realização de um plebiscito para consultar a população sobre novas eleições.

Embora avaliem que o governo está enfraquecido, os petistas evitam ataques aos aliados do presidente em exercício Michel Temer. Há o temor em algumas alas da legenda de que o caso do ex-senador Delcídio Amaral, preso no ano passado, possa ter aberto precedentes para outros casos, o que seria reforçado caso o Supremo Tribunal Federal acate os pedidos de prisão da Procuradoria-geral da República (PGR).

Alguns parlamentares também consideram ser muito cedo para celebrar uma vitória do partido. Eles estão receosos com o acordo de delação premiada da Odebrecht, que poderia envolver membros da sigla.

A proposta do plebiscito é defendida abertamente por cerca de dez senadores "independentes" do Congresso Nacional, como o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), que votou a favor da abertura do processo de impeachment de Dilma. Assim que soube dos pedidos de prisão de Renan e Jucá, mais cedo, ele ligou para parlamentares defendendo a ideia de novas eleições.

Já os governistas são totalmente contrários à proposta. Segundo o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), não é possível nem se quer discutir a ideia, pois, segundo ele, antecipar ou postergar as eleições seria inconstitucional.

Com informações Estadão Conteúdo

LEIA TAMBÉM:

- Senado aprova indicação de Temer para Banco Central. Sai Tombini e entra Goldfajn

- Machista! Ministro do governo Temer ataca (mais uma vez) mãe de seguidor

- Janot pede prisão de Jucá, Renan e Sarney por tentativa de barrar Lava Jato

Também no HuffPost Brasil

Close
Os ministros de Temer
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção