Huffpost Brazil

Para peritos, não há indícios de que menino morto por PMs atirou, diz TV

Publicado: Atualizado:
Imprimir

pm

Cena do crime alterada e nenhuma evidência de que tenha havido disparos partindo do carro onde estavam dois garotos, de 10 e 11 anos. São essas conclusões iniciais da perícia realizada pela Polícia Civil da zona sul de São Paulo. As informações são do Bom Dia São Paulo.

O menino mais jovem acabou morto pelos policiais militares com um tiro na cabeça. Os policiais afirmam que houve tiroteio.

O carro furtado de um condomínio na Vila Andrade, na zona sul, pelos meninos estava revirado, o corpo do garoto baleado havia sido mexido e a arma que um deles teria usado para disparar contra os policiais não estava no local do crime. Mas havia sido levada pelos PMs ao Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

A delegada que cuida da investigação quer ouvir os policiais nesta semana. O depoimento dos quatro PMs está marcado para esta sexta-feira (10).

Apoio aos PMs
police sao paulo
O presidente do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) do Portal do Morumbi, Celso Cavallini, afirmou na quarta-feira (8), que a entidade vai "prestar todo o apoio" aos policiais militares envolvidos no caso que terminou na morte de um menino de 10 anos que, juntamente com o amigo de 11, furtou um carro de um condomínio na Vila Andrade, na zona sul.

Eles foram perseguidos pela PM, bateram o veículo e o menino de 10 anos levou um tiro na cabeça. Os policiais afirmam que houve tiroteio. Mas o garoto de 11, que inicialmente confirmou a versão dos PMs, agora nega o confronto. "Se houver necessidade, vamos dar apoio jurídico e oferecer advogados para defendê-los", disse Cavallini.

O menino sobrevivente deu três versões para o caso. A primeira, gravada em vídeo pelos PMs, afirma que o amigo dirigia e atirava contra os policiais. Na segunda, confirmou os tiros, mas, depois que o carro parou, um PM se aproximou e atirou. Afirmou também que levou um tapa e foi ameaçado. Na última, negou que o amigo estivesse armado e contou que a arma foi "plantada" pelos policiais.

Cavallini acompanhou a gravação do vídeo. "Não havia pressão de ninguém e foi natural. Depois, eu acredito que ele possa ter sido induzido."

Testemunha
Na quarta-feira, o advogado Marco Antônio de Carvalho Gomes afirmou à polícia que apenas ouviu tiros durante a perseguição policial, mas negou ter visto de onde partiram os disparos. Gomes foi ouvido na Corregedoria da PM e no Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Com informações Estadão Conteúdo

LEIA TAMBÉM:

- Para mãe de menino morto por PMs de São Paulo, arma foi 'plantada'

- Nova versão da morte do menino de 10 anos não parece EM NADA com a dos PMs

- PM é responsável por 26% dos assassinatos em SP; 72% das vítimas são negras

Também no HuffPost Brasil

Close
Violência no Complexo do Alemão
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção