Huffpost Brazil

Procurador diz que há contra-ataque do Congresso às investigações da Lava Jato

Publicado: Atualizado:
DELTAN DALLAGNOL
José Cruz / Agência Brasil
Imprimir

Coordenador da força-tarefa da operação Lava Jato, o procurador da República Deltan Dallagnol vê nas conversas gravadas pelo delator Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, um ataque às investigação e ao combate à corrupção.

"São pessoas tramando em segredo contra a Lava Jato. Querem cortar as asas da Justiça e do Ministério Público", disse à Folha de São Paulo. "Buscam construir uma cápsula, um escudo para que continuem inatingíveis", completou.

Nas conversas gravadas por Machado, o senador e ex-ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR) afirmou que era necessária uma troca no governo federal "para estancar essa sangria", em referência à Lava Jato.

"De que sangria se está falando? Da sangria de agentes públicos corruptos sendo investigados e levados para um julgamento justo", afirmou Dallagnol.

Nazismo

O procurador comparou críticas que ele considera "infundadas" às investigações, como o uso de delações premiadas por presos e a prisão preventiva de investigados, à tática usada por Joseph Goebbels, ministro da Propaganda do governo nazista. "Você repete uma mentira mil vezes até que ela pareça verdade. Nossa única defesa é a sociedade, e a sociedade nesse momento quer que a Lava Jato se torne a regra", disse.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), também em diálogo com Machado, defendeu mudança na lei que trata da delação premiada de forma a impedir que um preso se torne delator.

De acordo com o procurador, apesar da pressão, as investigações continuam avançando, sem interferência do governo.

Mudanças na legislação

Dallagnol alerta para um "contra-ataque" no Legislativo à Lava Jato. Alguns exemplos são a proposta que prevê a extensão do foro privilegiado a ex-presidentes, a mudança na lei da delação premiada e a nova lei de repatriação de ativos. Aprovada em 2015, ela permite a legalização de recursos no exterior.

Já o projeto das Dez Medidas contra a Corrupção, elaborado por sugestão da força-tarefa em coordenação com o Ministério Público Federal (MPF) e assinado por dois milhões de pessoas, está parado no Congresso.

O texto entregue no fim de março, quando o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) presidia a Câmara e aguarda agora assinatura do presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), para que seja instalada a comissão especial que irá discutir o tema.

Nesta quinta-feira, Maranhão falou a encontro com deputados que cobram celeridade na tramitação.

Segundo a assessoria da Presidência da Câmara, a audiência não aconteceu por conflito de horário na agenda de Maranhão. Uma nova reunião foi marcada para a próxima terça-feira.

LEIA TAMBÉM

- Com gastos de grife bancados por propina, Cláudia Cruz vira ré da Lava Jato

- Cabe todo mundo no acordão do Senado para barrar prisões de Jucá e Renan

- A internet ficou louca: Japonês da Federal prende Japonês da Federal prende Japonês...

Tabme´m no HuffPost Brasil:

Close
Operação Lava Jato: os bens luxuosos das quadrilhas presas pela PF
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção