Huffpost Brazil

Escola encoraja pais a trocarem conselhos e filhos ganham confiança para falar de saúde mental

Publicado: Atualizado:
PARENTS AT SCHOOL
Purestock via Getty Images
Imprimir

Pais e mães de adolescentes vão trabalhar com outras famílias para transmitir a elas conselhos sobre como cuidar da saúde mental de seus filhos, dentro de um projeto que está sendo lançado por uma escola em Londres.

A Highgate School, na capital britânica, pediu aos pais e mães de alunos da sexta série que transmitam orientações sobre sexo, relacionamentos, redes sociais e até mesmo sono.

O esquema foi pensado depois do sucesso do projeto de saúde mental peer to peer, ou de par para par, envolvendo alunos da 7ª série e do terceiro ano do ensino médio.

“Os pais precisam de um pouco de orientação”, disse o diretor assistente da Highgate School, Patrick Johnston, falando ao Evening Standard. “Eles querem ajudar seus filhos, mas alguns deles desconhecem as situações pelas quais os adolescentes estão passando.”

orientação

O projeto anterior de saúde mental peer to peer da escola foi avaliado pela Mental Health Foundation, a Cernis e a Place2Be, e ganhou o apoio dessas organizações.

Durante o semestre da Quaresma, alunos do ensino médio trabalharam com especialistas em saúde mental para coproduzir um currículo de cinco aulas de PSHE (Educação Pessoal, Social, de Saúde e Econômica). Em seguida, eles deram essas aulas a alunos da 7ª série.

“Como parte da avaliação, recolhemos questionários de base para avaliar a eficácia do projeto para o aproveitamento escolar e o bem-estar geral das pessoas envolvidas”, disse o diretor da escola, Adam Pettitt, ao Huffington Post UK.

“Já analisamos até agora as respostas de mais de 280 alunos da 7ª série, e percebemos um aumento nítido no entendimento deles relativo ao estigma na saúde mental e de sua confiança para falar abertamente com outros sobre sua própria saúde mental.”

O diretor qualificou os resultados como muito promissores, dizendo que isso incentivou a escola a agora pensar em como pode ajudar os pais a lidar com a saúde mental de seus filhos.

“Queremos agora entrar em contato com os pais para descobrir se este modelo peer to peer pode ter os mesmos benefícios para eles ou os outros adultos que cuidam das crianças”, ele explicou.

“Sabemos que isso acontece de modo informal – pedir conselhos e sugestões de outros pais faz parte da vida de pais e mães –, mas achamos que existem algumas lições potencialmente importantes que gostaríamos de aprofundar num programa piloto peer to peer para pais.”

Pettitt disse que o programa de mentoreamento de pais vai começar com um grupo de pais de alunos da 7ª série indo à escola para discutir o que querem aprender.

Os pais de alunos do terceiro ano do ensino médio serão orientados sobre como falar com esses pais, transmitindo a eles como fizeram com seus filhos.

O diretor da escola disse que o programa deve ser lançado no início do próximo ano letivo, em setembro de 2016.

Nick Harrop, da organização beneficente YoungMinds, que dá apoio a adolescentes e crianças em questões de saúde mental, disse ao HuffPost UK:

“Estamos muito animados com a notícia deste programa, que traz um exemplo excelente de como pais e escolas podem cooperar para ajudar as crianças e os adolescentes.

“Às vezes é difícil saber o que dizer a um adolescente que tem dificuldades de saúde mental. Recebemos milhares de ligações por ano de pais que simplesmente não sabem a quem recorrer.

“Programas como este ajudam os pais a compartilhar suas vivências, dar apoio uns aos outros e romper o isolamento que podem estar sentindo.”

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost UK e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Crianças vítimas de bullying precisam de apoio, não de antidepressivos, alerta ativista

- Amizades e apoio da família ajudam a prevenir depressão na adolescência, diz pesquisa

- A escola tem papel fundamental na saúde mental de uma criança

Também no HuffPost Brasil:

Close
Sintomas e fatos sobre a depressão
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção