Huffpost Brazil

Tia Eron vota SIM pela cassação de Cunha: 'Não mandam nessa nega aqui'

Publicado: Atualizado:
TIA ERON
reprodução/facebook
Imprimir

Voto decisivo e ausente na última sessão do Conselho de Ética da Câmara Federal, a deputada Tia Eron (PRB-BA), votou a favor do relatório que pede a cassação do deputado Eduardo Cunha, presidente afastado da Câmara.

Mas ela fez questão de se explicar antes da votação. O deputado Nelson Marchezan (PSDB-RS) chegou a questionar, ironicamente, se ele havia sido abduzida na semana passada.

“Hoje não me procuraram, nem sequer citaram meu nome porque entenderam que de fato não mandam nessa nega aqui. Eu estava [na semana passada] nesta Casa e a imprensa sabe disso. Estava assistindo no que Platão chamou de mito da caverna, pela TV, para poder olhar nos olhos de cada um. Porque os olhos refletem muito mais do que a boca não tem coragem de dizer. (...) Por isso chamaram Tia Eron pra resolver o problema que os homens não conseguiram resolver.

Na hora do voto, Tia Eron citou Umberto Eco e Darcy Ribeiro para falar da "desconstrução do óbvio" e da necessidade de "ressignificar o conselho."

"Eu não posso aqui absolver o representado nesta tarde. Eu não posso. Eu voto sim", disse a deputada. Ela foi aplaudida após seu pronunciamento.

De acordo com ela, o presidente licenciado do PRB e ministro do Desenvolvimento, Marcos Pereira, “deu liberdade e paz para fazer esse julgamento”. “Ele chegou a ser ministro não por negociar cargos e barganhas. Vossas Excelências julgam por aquilo que são”, defendeu.

Tia Eron negou qualquer influência do que chamou de “política pontual Rio e São Paulo” de Marcelo Crivella e Celso Russomano, ambos do PRB e candidatos às prefeituras carioca e paulista, respectivamente. Ambos se declararam contra Cunha.

Assista ao voto:

LEIA MAIS:

- Após oito meses, Conselho de Ética da Câmara aprova cassação de Cunha

- Pedido de prisão de Cunha aumenta pressão por cassação

- Mais um aliado de Cunha tenta ajudar presidente afastado da Câmara a escapar da cassação

Também no HuffPost Brasil

Close
Os defensores de Eduardo Cunha
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção