Huffpost Brazil

R$ 7 milhões em propinas: O preço da vitória de Aécio Neves para presidir a Câmara, diz delator

Publicado: Atualizado:
Imprimir

aecio neves

Aécio Neves (PSDB) teria participado da captação de R$ 7 milhões em recursos ilícitos para distribuir entre os deputados federais para ser eleito presidente da Câmara dos Deputados, em 2001, durante o segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso. As informações surgiram nas delações premiadas do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, na Operação Lava Jato. As informações foram publicadas nesta quarta-feira pela Folha de S. Paulo.

Machada afirma que foi acertado entre Aécio, Teotônio Vilela Filho (presidente do PSDB em 2001). Os recursos irregulares foram distribuídos para 50 deputados como forma de ajudá-los em campanhas. A "ajuda" voltaria com o apoio à Aécio para comandar a Câmara dos Deputados.

O dinheiro, segundo Machado, veio da campanha de reeleição de FHC, em 1998, por intermédio de Luiz Carlos Mendonça (não fica claro no depoimento de Machado se se trata de Luiz Carlos Mendonça de Barros, ex-ministro de FHC).

Os recursos chegavam até Aécio por meio de um amito de Brasília. Outra parte dos recursos que teriam sido distribuídos aos parlamentares surgiram de Furnas. "Todos do PSDB sabiam que Furnas prestava grande apoio ao deputado Aécio Neves via o diretor Dimas Toledo".

Aécio, por meio de assessoria, nega todas as acusações:

"São acusações falsas e covardes de quem, no afã de apagar seus crimes e conquistar os benefícios de uma delação premiada, não hesita em mentir e caluniar. Qualquer pessoa que acompanha a cena política brasileira sabe que, em 1998, sequer se cogitava a minha candidatura à presidência da Câmara dos Deputados, o que só ocorreu muito depois. Essa eleição foi amplamente acompanhada pela imprensa e se deu exclusivamente a partir de um entendimento político no qual o PSDB apoiaria o candidato do PMDB à presidência do Senado e o PMDB apoiaria o candidato do PSDB à presidência da Câmara dos Deputados. A afirmação feita não possui sequer sustentação nos fatos políticos ocorridos à época."

LEIA TAMBÉM:

- Governo de Minas fez parceria com empresa de pai de Aécio em 2010

- Gilmar Mendes autoriza abertura de segundo inquérito contra Aécio Neves

- Após insistência de Janot, Gilmar Mendes reabre investigações contra Aécio Neves

Também no HuffPost Brasil

Close
Eleitores choram derrota de Aécio Neves
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção