Huffpost Brazil

Médico é filmado ofendendo casal de lésbicas: 'Gay, se pegar tem que matar' (VÍDEO)

Publicado: Atualizado:
Imprimir

Um casal de lésbicas foi agredido verbalmente por um médico em Goiânia na madrugada da última quarta-feira (15). A agente de turismo Angélica Santana e sua namorada, Giovana Alves, estavam em um posto de combustível no centro da cidade quando o médico pneumologista Ricardo Dourado partiu para a discussão após perceber que as duas eram um casal.

"Veado, gay, tem que matar... Aquela desgraça", disse Dourado. As ofensas homofóbicas foram gravadas pelo casal. "O mundo não é pra isso, as aberrações, esquece isso."

O casal já registrou ocorrência contra o médio no 1º Distrito Policial da cidade e o vídeo foi postado nas redes sociais.

Além de classificar a homossexualidade de "aberração", o médico disse que atração por pessoas do mesmo sexo é "anormal" e sugeriu às mulheres irem "atrás de um homem" e desistirem de "nadar contra a corrente":

"Vai atrás de um homem bom pra você, casa, vai ter filho. Isso é normal. Vocês querem o anormal? Você vão lutar. O dia que você pular no rio, você nada contra a correnteza. Ensina pra ela [chamou uma pessoa ao lado, não identificada]: nada no rio e nada contra a correnteza."

Ao G1, Angélica disse que estava no quiosque do posto de combustível com a namorada e uma amiga quando foi abordada pelo médico. Ela relatou que ele ofereceu bebida a elas e chegou a passar a mão nas costas dela. Quando a namorada pediu que ele parasse, ele se deu conta que elas eram um casal e partiu para ofensas gravadas em vídeo.

"Ele já chegou muito intimidador, pegando na minha amiga, depois na minha namorada, passou a mão em mim. Eu falei ‘para por favor’. Foi a hora que a Giovana falou ‘por favor, não encosta na minha namorada’, pra me defender. Aí ele começou com o discurso homofóbico."

Segundo o site regional Jornal Opção, Angélica disse que outras pessoas que presenciaram a cena afirmaram que ele estava armado. "Não vi, mas quem estava comigo disse claramente: ele está armado. Cuidado.”

Após denunciar o caso no Facebook, o perfil de Angélica foi deletado. Segundo a namorada, por causa de Dourado. "Facebook da Angelica foi deletado porque o nosso agressor está devidamente constrangido com a repercussão do relato com os vídeos. Mas a justiça ainda será feita. Obrigada todos que se mobilizaram para compartilhar e nos apoiaram", escreveu em uma postagem na rede social.

Por telefone, Ricardo Dourado confirmou ao G1 as agressões verbais e, ao tentar se justificar do ato homofóbico, disse que o casal estava "se exibindo":

"Eu só pedi respeito em um ambiente público, elas não quiseram. Se eu falei isso, de morte, infelizmente, falei sem ver, peço até desculpas, porque não é isso. Como médico, eu não vou querer matar ninguém, é lógico. Acho até incabível essa colocação, posso ter falado lá como qualquer um fala quando está exaltado."

Ele afirmou ainda que tinha bebido cerveja e estava com "ânimos exaltados" e que vai processas Angélica por ter divulgado o vídeo nas redes sociais.

LEIA MAIS:

- Quênia determina que 'exame anal' é legal para provar homossexualidade

- Não precisamos ir além das fronteiras para testemunhar o perigo da homofobia

Também no HuffPost Brasil

Close
Os 10 piores países do mundo para gays
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção