Huffpost Brazil

Polícia conclui inquérito de estupro coletivo de jovem no Rio com 7 indiciados

Publicado: Atualizado:
DELEGADA RIO
Tomaz Silva/Agência Brasil
Imprimir

A Polícia Civil concluiu nesta sexta-feira (17) o inquérito do caso da jovem de 16 anos, vítima de estupro coletivo. A Delegacia da Criança e do Adolescente (DCAV) apresentou hoje o resultado das perícias com sete pessoas indiciadas pelo crime que chocou o Brasil.

De acordo com o G1, os indiciados por estupro de vulnerável e divulgação de imagens foram Raí de Souza, que gravou e divulgou o vídeo; Raphael Duarte Belo, que fez uma selfie com a vítima desacordada e transmitiu o vídeo; e o menor conhecido como Perninha, que será encaminhado para a Vara da Infância e Juventude.

Por estupro, foram indiciados Moisés Camilo de Lucena, conhecido como Canário, traficante reconhecido pela vítima, e Sergio Luiz da Silva, conhecido como "Da Rússa", apontado pela polícia como chefe do tráfico do Morro da Barão. Michel Brasil da Silva e Marcelo Mirando serão indiciados por divulgação das imagens.

Apenas Raí e Raphael estão presos. Os outros estão foragidos.

envolvidos estupro
Da esquerda para a direita: Sérgio Luiz da Silva Junior, Marcelo Miranda da Cruz Correa, Raphael Assis Duarte Belo, Michel Brasil da Silva, Lucas Perdomo Duarte Santos e Raí de Souza.

O jogador de futebol Lucas Perdomo Duarte não vai ser indiciado por nenhum crime, por falta de prova. Ele chegou a ser preso mas foi liberado.

De acordo com o jornal O Dia, a pena de estupro de vulnerável é de 15 anos, a produção do material é de oito anos e a transmissão do vídeo é de seis anos.

Provas

O celular de Raí foi peça fundamental para a resolução do caso. Segundo a delegada responsável, Cristiana Bento, os arquivos e imagens encontradas no celular do jovem serão enviadas à Delegacia de Combate às Drogas para investigar "possível envolvimento com o tráfico" da região.

"Raí em seu depoimento ele disse que tinha jogado fora. A gente sabia que era a principal fonte de prova o celular de Rai. A gente tinha que procurar a todo custo. Mais de dois mil perfis de Facebook e Twitter foram investigados", afirmou Cristiana, segundo o G1.

A delegada disse que a perícia não conseguiu comprovou a participação de 33 homens, conforme a vítima havia alegado em depoimento. "Trabalhamos com provas técnicas, e provamos a participação de sete, mas não descartamos o depoimento da vítima. Temos prazo para conclusão do inquérito e esses envolvidos estão indiciados. Se houver novos fatos, [outros] serão indiciados também", afirmou, segundo a Veja.com.

As investigações apontam que a jovem foi estuprada, no mínimo, duas vezes -- no sábado de manhã, pelo traficante Moisés Camilo de Lucena, o "Canário", e no domingo à noite, quando Raí, Raphael e um homem chamado "Jefinho" chegaram na casa da comunidade onde estava a vítima. A polícia não descarta um número maior de envolvidos no crime.

Com a conclusão do inquérito, o caso foi encaminhado para o Ministério Público e para a Delegacia de Combate as Drogas (DCOD).

LEIA MAIS:

- #PorTodasElas: Mulheres não se calam e fazem outra caminhada em São Paulo contra a cultura do estupro

- 'Jovem foi violentada por estupradores e pela sociedade', diz delegada do caso

- Novo vídeo traz mais provas de estupro coletivo no Rio

Também no HuffPost Brasil

Close
#PorTodasElas: Mulheres protestam contra Cultura do Estupro
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção