Huffpost Brazil

Marina Silva insiste: Saída é queda de Dilma e Temer pelo TSE e novas eleições

Publicado: Atualizado:
Imprimir

marina silva

A ex-ministra e ex-senadora Marina Silva (Rede Sustentabilidade) afirmou, na noite desta segunda-feira (20) durante o programa Roda Viva, que o governo interino de Michel Temer convive com uma contradição do lado econômico e político. "É equipe econômica competente dentro de um governo politicamente insolvente."

"Parece que a gente tem uma equipe econômica tentando governar e o presidente Temer tentando se explicar na grave crise política que estamos vivendo", disse ao participar do programa.

Marina destacou que três ministros do governo Michel Temer caíram por envolvimento na Lava Jato. Para a ex-senadora, derrotada na disputa presidencial em 2014, o governo do peemedebista sofre dificuldades em função da "natureza do próprio governo". Ela destacou que PT e PMDB governaram juntos por 13 anos. "Nesses 13 anos nunca vi o PMDB fazendo críticas à economia."

Marina elogiou a proposta do governo interino de limitar as despesas do Estado, mas criticou o fato de ter se passado de um déficit da ordem de R$ 90 bilhões para um déficit previsto para 2016 de R$ 170 bilhões. "É um aumento de gastos, empurrado para o próximo governo", concluiu.

A ex-senadora repetiu a visão da maioria da Rede, com a qual diz concordar, de que há materialidade legal para o impeachment de Dilma Rousseff, mas que o afastamento da petista por essa via não é a solução para a crise política do País, por isso defendem a cassação da chapa Dilma/Temer pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a realização de novas eleições.

"O impeachment alcança a legalidade, mas não alcança a finalidade", afirmou ao alegar que a Rede já previa desde o início do processo que o impeachment não seria o fim da crise, pois PT e PMDB praticaram irregularidades juntos.

Questionada se pretende voltar a se candidatar à Presidência da República novamente, Marina Silva repetiu a evasiva de entrevistas recentes. "Não sei se serei candidata. Já dei minha contribuição para o debate da sustentabilidade, sobre um realinhamento político. Quero continuar contribuindo, mas não se contribui apenas sendo candidata."

Lula e o plano de poder
Ex-ministra do governo Luiz Inácio Lula da Silva, Marina disse que o grande nome do PT esteve, ao lado de outras lideranças, mais preocupado com projetos de poder do que com projetos de país. "Isso tem a ver com muitos dos resultados que lideranças estão amargando". Segundo ela, os planos feitos pelo PSDB, quando presidiu o País com Fernando Henrique Cardoso, e do PT são parecidos, "de ficarem por pelo menos 20 anos no poder".

Lava Jato
Sobre a notícia envolvendo seu nome em delação do empreiteiro Leo Pinheiro, ex-presidente da OAS, Marina afirmou que estava enganado quem, com vazamentos, esperava tirar dela críticas contra a Lava Jato. "Quem esperava arrancar de mim qualquer palavra contra a Lava Jato está redondamente enganado. Mais do que nunca, é fundamental o trabalho da Justiça, do Ministério Público, da Polícia Federal", afirmou.

Ela defendeu seu vice na chapa de 2010 pelo PV, o empresário Guilherme Leal, argumentando que ele não fez qualquer pedido de caixa 2 para a campanha.

"Tenho certeza que o Guilherme jamais faria uma abordagem dessa natureza", disse ao afirmar que a denúncia, ainda não confirmada pela divulgação oficial da delação, seria uma "grande injustiça" com sua campanha em 2010. Ela disse que vai provar essa retidão com a prática política e não com discursos.

Com informações Estadão Conteúdo

LEIA TAMBÉM:

- Sócio de empreiteira aponta 'caixa dois' em campanha de Marina Silva

- Lula lidera intenções de voto; Temer e Bolsonaro estão empatados em 5º lugar

- Marina Silva considera impeachment legal, apesar da atuação de Cunha

- Marina pede novas eleições: 'Se o PT quiser vir de Lula, que venha'

Também no HuffPost Brasil

Close
Marina Ecologia: Os Tweets + Divertidos
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção