Huffpost Brazil

#MeninasPodemJogar: Garota é impedida de jogar em torneio que só tem categoria masculina

Publicado: Atualizado:
FUEBOL FEMININO
Reprodução/Facebook
Imprimir

Laura é capitã de um time de futebol. Ela tem 12 anos, mas joga desde que é bem pequena. Ela sempre participou de torneios e já alcançou algumas vitórias. Laura sempre jogou com outros meninos, em times mistos. Mas agora, Laura está sendo impedida de jogar. Simplesmente porque Laura é uma menina.

A garota joga com a equipe da ADESM (Assoc.Des.Ed.Sind.Metalurg) de São Carlos. Nos torneios locais, ela pode participar porque a organização aceita times mistos. Porém, o seu time foi classificado para a competição regional da categoria Sub 13. Nesta fase do campeonato, contudo, Laura está sendo barrada, pois a organização só aceita a categoria masculina.

Indignado com a situação, seu pai, Lauro Pigatin, criou uma página no Facebook e um abaixo assinado para que a história viesse a público.

"Isso é um absurdo, pois não existe campeonato feminino, as mulheres não têm opção, simplesmente não podem praticar esporte, nesse caso o futebol."

A lista de nomes já ultrapassa mais de 2.800 assinaturas em apoio a Laura. Apesar disso, as regras da organização, responsabilidade da a Secretária de Esportes e Turismo do Estado de São Paulo, ainda não foram modificadas.

Não é a primeira vez que a menina e sua família enfrentam esse obstáculo burocrático e discriminatório. No ano passado, Laura também foi impedida de participar do evento. Seu pai classificou a situação como um "verdadeiro caso de exclusão".

"Nossos dirigentes parecem caminhar no sentido contrário, vivemos uma época de inclusão, de igualdade de direitos, inclusive na maioria dos países desenvolvidos os campeonatos até sub 15 são todos mistos com politica de incentivo ao esporte, já aqui, no estado mais rico e avançado do Brasil, acontece isso, verdadeiro caso de exclusão, de desincentivo a prática esportiva."

Junto com o abaixo assinado, os apoiadores criaram a hashtag #MeninasPodemJogar para fortalecer e incentivar o acesso das garotas aos esportes.

Marta já superou Pelé e ainda temos que lidar com casos como esse.

LEIA MAIS:

- Marta DETONA em amistoso e ultrapassa a marca de ninguém menos que Pelé com a camisa da seleção brasileira

- Lembrete: violência sexual contra mulheres é mais importante do que esporte

Também no HuffPost Brasil

Close
5 mulheres que enfrentaram o machismos nos esportes
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção