Huffpost Brazil

'Deficiente Residente': Museu do Futebol inclui a acessibilidade na equipe de funcionários

Publicado: Atualizado:
RESIDENTE DEFICIENTE
André Pinheiro, um dos residentes do projeto | Reprodução/YouTube
Imprimir

Inaugurado em 2008, o Museu do Futebol, sediado em São Paulo, foi planejado para ser totalmente acessível.

Todas as salas e os conteúdos foram pensados para integrar pessoas com deficiência física, intelectual e com mobilidade reduzida.

Mas o que significa ser acessível?

O que é praticar a inclusão do deficiente em locais em que eles não são socialmente aceitos?

Qual a melhor forma de entender o mundo e as dificuldades das pessoas que possuem condições diferentes senão ouvi-las?

Pensando nessas questões, em 2010, o museu desenvolveu o projeto Deficiente Residente, para que o estabelecimento pudesse ser aproveitado e experienciado pelo maior número de pessoas.

Entre 2010 e 2015, pessoas com diversos tipos de deficiência foram integradas à equipe de atendimento do museu, em uma "residência que durava seus meses.

A iniciativa transformou o atendimento do museu, que viveu a sociabilização e a quebra de barreiras na prática.

Cada ano foi dedicado a um tipo de deficiência: Em 2010, o museu abriu vagas para deficientes visuais; deficientes intelectuais, em 2011; deficientes auditivos, em 2012; deficientes físicos, em 2013; pessoas com transtorno mentais, em 2014; e, em 2015, foram retomados todos os temas trabalhados nos anos anteriores.

museu

Durante três meses, os residentes se encontravam semanalmente com a equipe de educadores para participarem de trocas e atividades. A ideia era descobrir e valorizar os pontos em comuns entre os presentes, entender suas diferenças e compartilhar informações para que a experiência dos visitantes nos espaços expositivos fosse melhorada.

O impacto da ação foi tão positivo que virou referência para outros Museus e na última quarta-feira (22) foi lançado um documentário sobre o projeto.

O vídeo, de 30 minutos, traz depoimentos dos participantes e informações que permitem que a experiência possa ser replicada em outras instituições.

“É uma inclusão efetiva. Não é uma inclusão ‘normal’. Eles foram atrás para fazer uma inclusão verdadeira no Museu.”, disse Fernanda Bucci, que possui paralisia cerebral. Ela foi residente da quarta edição.

Para além dos resultados, o projeto Deficiente Residente propõe uma ideia um tanto simples, mas que é esquecida muitas vezes quando se trata de ações para pessoas em situações diferentes das nossas: pensar com elas e não apenas para elas.

Com empatia e colaboração, ações como essa nos ensinam que encontrar soluções se tornam mais fáceis!

LEIA MAIS:

- Até quando deficientes serão invisíveis?

- O privilégio de crescer em um ambiente inclusivo

- Como uma professora deu uma poderosa lição sobre bullying usando duas maçãs

- Aquele kit de higiene dado no avião ou no hotel pode ser doado para um morador de rua

Também no HuffPost Brasil

Close
Princesas Disney com deficiências
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção