Huffpost Brazil

Judiciário terá aumento de 41%. Bolsa Família foi reajustado. E o governo Temer prometeu cortar gastos...

Publicado: Atualizado:
Imprimir

michel temer

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (29) os projetos de lei que reajustam os salários dos servidores do Judiciário e do Ministério Público Federal.

Os servidores do Poder Judiciário Federal deverão, pelo texto, receber um aumento total de 41% dividido em oito parcelas a serem pagas entre junho deste ano e julho de 2019.

Além disso, a gratificação judiciária, hoje correspondente a 90% do vencimento básico, chegará gradualmente a 140%, em janeiro de 2019. O projeto prevê ainda reajustes para cargos em comissão de até 25% e o pagamento de gratificação por qualificação para técnicos do Judiciário que concluam cursos superiores.

Os servidores do Ministério Público terão aumento de 12% no vencimento básico de analistas e técnicos escalonado em oito parcelas semestrais até dezembro de 2019.

Além disso, o texto aprovado hoje reajusta em 16% ou 25% dependendo do nível dos valores dos cargos em comissão e cria três cargos: o de secretário-geral do Ministério Público, o de secretário-geral do Conselho Nacional do Ministério Público e o de chefe de gabinete do procurador-geral da República, com remuneração de R$ 15 mil mensais.

A partir do próximo ano, o impacto dos reajustes salariais sobre as contas públicas será mais expressivo. O reajuste do Judiciário consumirá R$ 4,77 bilhões em 2017, R$ 6,54 bilhões em 2018 e R$ 9,26 bilhões em 2019, totalizando um gasto de R$ 22,26 bilhões em quatro anos.

Para o Ministério Público, o efeito sobre as contas públicas chegará a R$ 779,9 milhões em 2017, R$ 1,03 bilhão em 2018 e R$ 1,42 bilhão em 2019, totalizando R$ 3,53 bilhões.

'Bondades' de Temer chegam a R$ 125 bilhões
O presidente em exercício, Michel Temer, anunciou nesta quarta-feira (29) um aumento médio dos benefícios do Bolsa Família de 12,5%, mais a liberação de R$ 742,8 milhões para a educação básica de Estados e municípios. Leva de concessões que o governo vem promovendo desde que assumiu em 12 de maio e que já soma cerca de R$ 125 bilhões em gastos e renúncias fiscais.

Em entrevista ao Estadão, o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, não é verdade que o governo esteja cometendo "excessos" que pioram a situação das contas públicas.

"Até amigo meu que trabalha no mercado financeiro já veio aqui cobrando as medidas de curto prazo e eu respondo: historicamente o Brasil só fez ajustes de curto de prazo, cortando investimento e elevando carga tributária. Já sabemos que não é o caminho", disse.

Com informações Estadão Conteúdo e Agência Brasil

LEIA TAMBÉM:

- Na calada da noite, Temer recebe Cunha para ninguém ficar sabendo...

- Dilma diz que Cunha é ameaça 'integral' a Temer e elogia soltura de ex-ministro Paulo Bernardo

-
Cadê as pesquisas Datafolha e Ibope sobre o governo Temer?

Também no HuffPost Brasil

Close
Parada do Orgulho LGBT faz Paulista BRILHAR contra a transfobia e governo Temer
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção