Huffpost Brazil

Mais de 110 pessoas morrem em bombardeios em Bagdá em atentado do Estado Islâmico

Publicado: Atualizado:
IRAQUE
Ataque ocorreu em Karrada, no centro da capital | REUTERS/Khalid al Mousily
Imprimir

Dezenas de pessoas foram mortas e 200 foram feridas em dois atentados que atingiram Bagdá em torno da meia-noite deste sábado (2). Quase todas as fatalidades ocorreram em uma explosão que atingiu uma movimentada área comercial em meio à celebração do Ramadã, afirmaram a polícia e fontes médicas neste domingo (3).

Um caminhão frigorífico cheio de explosivos explodiu em Karrada, no centro de Bagdá, matando 80 pessoas e ferindo pelo menos 200.

O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelo ataque em um comunicado distribuído online por apoiadores do grupo sunita extremista, que disse que a explosão foi um atentado suicida.

Karrada estava cheia no momento do ataque, já que os iraquianos comem fora tarde durante o mês de jejum muçulmano do Ramadã, que termina na próxima semana.

Close
Atentado terrorista mata 80 no Iraque
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

A polícia disse que o número de vítimas poderá aumentar, já que mais corpos podem estar sob os escombros de prédios devastados.

O bombardeio é o mais mortal no país desde que as forças iraquianas no mês passado desalojaram militantes do Estado Islâmico de Falluja, seu reduto a oeste da capital, que servia como plataforma para o lançamento de ataques do tipo.

Um dispositivo explosivo na estrada também explodiu em torno da meia-noite em um mercado em al-Shaab, um distrito xiita popular do norte da capital, deixando pelo menos dois mortos, informaram a polícia e fontes médicas.

ATUALIZAÇÃO:
As primeiras informações publicadas pelo HuffPost Brasil davam conta de ao menos 80 mortos. Por volta das 14h (horário de Brasília), o número de mortes confirmadas superou o de 110 pessoas.

LEIA MAIS:

- O Estado Islâmico agora tem um recrutador de brasileiros: Ismail al-Brazili

- Obama defende restringir acesso a armas e critica proposta de Trump de banir muçulmanos dos EUA: 'Onde isso vai parar?'