Huffpost Brazil
Grasielle Castro Headshot

Rio 2016: Qual legado as obras das Olimpíadas deixarão para o Rio de Janeiro?

Publicado: Atualizado:
PARQUE OLIMPICO
Rio aprendeu algumas lições com Pan de 2007 | André Motta/Brasil2016.gov.br
Imprimir

Na contagem regressiva para os Jogos Olímpicos no Brasil, o Ministério do Esporte e a Prefeitura do Rio de Janeiro dão uma notícia positiva: as obras estão garantidas - mesmo que ainda exijam um esforço concentrado. Até o fantasma do legado está assegurado.

A maioria das instalações já foi entregue, e o que falta sair do papel está com pelo menos 97% de execução - como o velódromo inaugurado antes de ficar completamente pronto. Inclusive as temporárias, como a de Deodoro que é a mais atrasada, devem ficar prontas a tempo.

Comparado ao resultado dos jogos Pan-Americanos de 2007, o Rio de 2016 mostrou que aprendeu as lições com os erros do passado. Além de ter demonstrado esforço, especialistas ouvidos pelo HuffPost Brasil dizem que é inegável que a cidade sofreu uma transformação positiva, apesar das críticas.

Presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia (Sinaenco), José Roberto Bernasconi destaca que o fato de receber os jogos fez a cidade se reorganizar e, principalmente, revisar a mobilidade urbana e a estrutura.

“O Rio realmente sofreu uma transformação provocada pela decisão de sediar os jogos. Teve uma grande transformação na mobilidade e urbana com a recuperação da região central, a demolição do elevado, abertura da vista da cidade, o Museu do Amanhã. São obras extraordinárias feitas pelo homem junto com a beleza natural da cidade. É um ganho.”

Bernasconi ressalta os planos para o futuro das obras como um exemplo positivo.

“O Parque Olímpico, os alojamentos, serão ocupados futuramente pela população do Rio, assim como foi feito em Londres. Isso vai ocorrer em uma condição melhor do que foi feito no Pan. A experiência dos resultados negativos do Pan ensinou para que desta vez fizessem obras com condições melhores, não só nos equipamentos para esporte, como também nos alojamentos.”

Por outro lado, ele reconhece que o legado poderia ter sido maior:

“Pessoalmente fico triste porque não conseguiram despoluir a Baía de Guanabara. Ficou devendo também na melhoria no saneamento e na segurança. Poderia ter feito mais? Poderia. Mas o que foi feito vai melhorar a qualidade de vida do morador do Rio.”

Conselheiro do Estado do Rio de Janeiro no Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), Luiz Fernando Janot corrobora a tese de Bernasconi de que o legado poderia ter sido maior, mas é inquestionável que houve mudança positiva.

“Teve esforço e determinação da prefeitura para concluir as obras no prazo. Foi uma vitória importante sediar os jogos, faltou discussão no projeto, mais pessoas poderiam ter sido beneficiadas pelas obras, mas o que foi feito é importante.”

Para ele, teria sido mais vantajoso se o complexo fosse em uma zona central. “Venderam as belezas da região central do Rio e os jogos serão em um setor mais afastado. Foi assim em Londres, mas 6 quilômetros. No Rio é mais.”

Elefante branco

Janot, porém, usa uma das preocupações da Prefeitura para defender o que foi feito: o medo de elefantes brancos. O planejamento para que as obras tenham um uso futuro é, segundo ele, uma das vitórias do evento.

“Queira ou não, tem que reconhecer que há um legado importante, feito em uma época apropriada. Hoje, por exemplo, com a crise que o País passa, jamais teria feito alguma coisa. Uma boa parte das estruturas será desmontada e adaptada para novos usos como transformação em escolas. O questionamento que fica é se, com essa crise, haverá dinheiro para transformar as estruturas temporárias. Isso que é crítico."

Segundo a prefeitura do Rio, o Parque Olímpico, considerado o coração dos jogos será, entre outros, "um amplo complexo esportivo e educacional na região da Barra e Jacarepaguá destinado a estudantes da rede municipal e a atletas de alto rendimento com uso compartilhado por projetos sociais e eventos”.

Dados do Ministério do Esporte mostram que o País investiu mais de R$ 4 bilhões nos jogos, sendo R$ 3 bilhões apenas em estruturas físicas.

LEIA TAMBÉM:

- Rio 2016: Não vai faltar segurança, não tem risco de terrorismo, diz ministro

- Medalha de ouro em vergonha alheia: Polícia do Rio ataca jornalistas

- Em ataque de 'sincericídio', Paes diz que Rio faz 'trabalho terrível' na segurança

Mais no HuffPost Brasil:

Close
Rio de Janeiro em ano de Olimpíadas
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção