Huffpost Brazil

'Personagem Feminina Pouco Desenvolvida' mostra tudo o que as mulheres NÃO querem nos cinemas

Publicado: Atualizado:
2
Reprodução/Facebook
Imprimir

"Todas essas relações entre mulheres, pensei, recordando rapidamente a esplêndida galeria de personagens femininas, são simples demais. (...) Era estranho pensar que todas as grandes mulheres da ficção, até a época de Jane Austen, eram não apenas vistas pelo outro sexo, como também vistas somente em relação ao outro sexo." - Virginia Woolf

Em seu ensaio, Um Teto Todo Seu, Virginia Woolf desvendou em 1929 o que o Teste de Bechdel viria a questionar dentro das obras de ficção a partir da década de 80: A falta de representatividade feminina de qualidade em obras ficcionais, seja na literatura, no teatro ou no cinema.

O teste é simples e questiona se em uma obra de ficção há pelo menos duas mulheres que conversem entre si algo que não seja relacionado a um homem. A maior parte das produções culturais, no entanto, falham nesse sentido, o que demonstra como o sexismo e machismo estão enraizados e são reproduzidos de forma naturalizada na sociedade.

Pensando nisso, a página do Facebook SourceFed publicou, nesta terça (5), um trailer super sincero e sarcástico de um filme muito conhecido por todas as pessoas: A Personagem Feminina Pouco Desenvolvida.

1

O trailer ironiza aquela narrativa batida de filmes que estereotipam a mulher e a reduzem a um ser raso, sem controle de suas emoções e discernimento racional, além de ter um "instinto cuidador" -- no sentido de querer transformar homens fracassados/tristes/"bad boys" em seres humanos decentes. Urgh!

A publicação original fez tanto sucesso que um brasileiro colocou legendas e republicou em seu perfil -- o que rendeu mais de 2 mil curtidas e quase 4 mil compartilhamentos.

Os estereótipos femininos no cinema

No teaser, a protagonista é "sequestrada" por um grupo de três mulheres que se autodenominam "As Personagens Femininas Pouco Desenvolvidas".

4

Nesse ponto a crítica se aprofunda em explanar o modo como a misoginia e o racismo se interseccionam para anular tanto a complexidade das personagens femininas, como excluir atrizes que envelhecem e renegar lugares de destaque para personagens negras, gordas e fora do padrão.

De modo cômico e exagerado, eles separam quatro estereótipos corriqueiros no cinema:

1. A "Mamãe-Urso", uma atriz que fez 36 anos e foi demitida de Hollywood por ser "velha demais";

2. A "Atrevidinha", uma personagem negra e gorda, que é sempre construída de modo cômico e solitário, como uma espécie de "cota de minorias" para filmes;

3. A "Colírio", a personagem feminina hipersexualizada que geralmente participa de filmes de ação;

4. E a protagonista, colocada como "A Garota Ideal Doida e Alternativa", que serve para desenvolver as narrativas masculinas de idealização romântica sobre as mulheres, ou seja, existe apenas como adjunto do homem.

Neste último caso, qualquer semelhança com a crítica de O Segundo Sexo de Simone de Beauvoir não é mera coincidência.

Voltando ao Teste de Bechdel, o trailer também brinca com isso. Em uma cena típica de interrogatório, uma das mulheres usa o que ela chama de "Bechdelômetro", para medir o conteúdo da fala da protagonista -- que pode falar sobre o que quiser, mas, evidentemente, erra rude ao citar o término de seu relacionamento com um homem.

3

O teaser continua com outras boas cutucadas, como o racismo velado em relação a personagens orientais e a padronização do "moço hipster bonzinho".

Bem que esse filme poderia se concretizar na realidade, o cinema mundial está precisando desses tapas na cara.

LEIA MAIS:

- Teste de Bechdel: 12 filmes em que as conversas entre mulheres não são sobre homens (FOTOS)

- Aqui estão provas de que o cinema hollywoodiano é EXTREMAMENTE machista

- 'Star Wars: O Despertar da Força' passa pelo teste de Bechdel, diz crítica do Los Angeles Times

Também no HuffPost Brasil

Close
Cartazes Honestos dos filmes indicados ao Oscar 2016
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção