Huffpost Brazil

Pastor Felipe Heiderich alega inocência, nega tentativa de suicídio e diz que foi internado à força em clínica psiquiátrica

Publicado: Atualizado:
PASTOR HEIDERICH
Heiderich diz que foi linchado sem direito à defesa | Reprodução/Youtube
Imprimir

O pastor Felipe Heiderich falou pela primeira vez sobre as acusações feitas pela sua esposa, Bianca Toledo. Em vídeo postado nesta quarta-feira (13), ele alega inocência e diz que foi julgado pela opinião pública e pela Justiça sem ter sido ouvido.

"Eu fiquei em choque com tudo que foi dito a meu respeito e as acusações. No dia 14 [de junho], sou comunicado por ela [Bianca] que eu era homossexual e pedófilo. Começaram os piores dias da minha vida", contou o religioso.

Heiderich negou ter tentado suicídio. Ele disse que tomou uma dose maior de ansiolítico, mas não queria se matar, apenas "dormir".

Como funcionários da residência do casal encontraram o pastor desacordado e dois frascos de Rivotril próximos, teria havido um mal-entendido.

Ele conta que foi levado à força para uma clínica psiquiátrica e ficou internado por oito dias, sem quaisquer esclarecimentos:

"Eu não conseguia entender o que estava acontecendo, e ninguém explicava nada. Foram oito dias de terror, sem atendimento, sem explicação, até que minha mãe descobriu onde eu estava e veio me resgatar."

Para provar inocência, o pastor diz que colocou à disposição da Justiça seu computador, celular e todas as senhas.

Eu fui acusado, julgado, maltratado, linchado, e ninguém sequer me deu o benefício da dúvida.

O pastor alega que a inocência dele é atestada pelo único laudo oficial sobre os supostos abusos, mas não apresenta o documento.

"Meu rosto rodou o mundo como pedófilo", disse. "É um momento que eu preciso ser forte para perdoar; minha inocência está praticamente estabelecida... Em breve a verdade virá à tona", concluiu.

Prisão

O pastor Felipe Heiderich chegou a ser preso suspeito de abusar sexualmente do enteado de cinco anos.

A Justiça determinou a soltura dele porque o Ministério Público do Rio de Janeiro não pediu a conversão de prisão temporária em preventiva.

O juiz Paulo Cézar Vieira de Carvalho Filho determinou a utilização de tornozeleira eletrônica e proibiu Heiderich de se aproximar de Bianca Toledo e do filho.

Toledo acusou o pastor publicamente em vídeo postado na internet.

A Polícia Civil do Rio encontrou indícios dos abusos. O Ministério Público ofereceu denúncia contra ele por estupro de vulnerável.

LEIA MAIS:

- Pastor suspeito de pedofilia pregava: 'Você precisa aprender a controlar seus desejos'

- Papa aceita renúncia de bispo paraibano acusado de acobertar padres pedófilos

Close
Pastor Felipe Heiderich é suspeito de abuso de menor
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual