Huffpost Brazil

Por Marcos Valério, Justiça suspende processo do mensalão do PSDB em Minas

Publicado: Atualizado:
Imprimir

psdb

Não vai ser desta vez que o chamado "mensalão mineiro" vai ser julgado. Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, a Justiça de Minas Gerais determinou a suspensão do andamento do processo no Tribunal de Justiça do Estado.

A decisão ocorreu após pedido da defesa do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, réu na ação e conhecido pelo processo que acabou condenando José Dirceu e outros políticos de primeiro escalão do então governo Luiz Inácio Lula da Silva.

A suspensão aconteceu porque, segundo a Justiça, para que o processo continuasse, seria necessário esperar decisão sobre pedido de delação premiada feito por Valério ao Ministério Público de Minas no processo sobre esquema de financiamento ilegal da campanha à reeleição do ex-governador tucano Eduardo Azeredo (PSDB) em 1998.

Por envolver políticos com foro privilegiado, o pedido de delação precisa ser aceito também pela Procuradoria-Geral da República, o que não tem data para ocorrer.

A suspensão ocorreu no dia 1.º de julho. Azeredo já foi condenado a 20 anos de prisão no mensalão mineiro em ação que tramitou separadamente. Valério cumpre pena no mensalão federal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Procuradoria-Geral

Em fevereiro de 2014, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a condenação de Azeredo, que à época era deputado federal, a 22 anos de prisão pelo seu envolvimento no desvio de ao menos R$ 3,5 milhões de estatais mineiras para o caixa 2 da campanha à reeleição do tucano ao governo de Minas em 1998. O parlamentar, no entanto, renunciou ao cargo de deputado e, pela perda de foro privilegiado, o processo foi enviado à primeira instância da Justiça estadual em Minas Gerais.

Segundo a denúncia, o desvio ocorreu por meio das empresas de publicidade de Marcos Valério Fernandes de Souza, que atualmente cumpre pena de 37 anos de prisão imposta no julgamento do mensalão do PT.

O tucano, segundo a acusação, utilizou recursos que iriam para eventos para abastecer caixa 2 de campanha. Na sentença, a juíza afirma ter sido criada "uma organização criminosa complexa, com divisão de tarefas aprofundada, de forma metódica e duradoura". A reportagem não conseguiu contato com o advogado do tucano.

LEIA TAMBÉM:

- Delator diz: Aécio distribuiu propina MILIONÁRIA por presidência da Câmara

- Mensalão tucano: Juíza mantém condenação de 20 anos a Azeredo

- Juíza lista mentiras de Eduardo Azeredo em sentença do mensalão tucano

Também no HuffPost Brasil

Close
Figurões do mensalão
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção