Huffpost Brazil
Rafael Nardini Headshot

Qual Neymar veremos na Olimpíada: O atleta genial ou o jovem impulsivo?

Publicado: Atualizado:
Imprimir

neymar brazil

"Eu quero ser dependente do Neymar. Que treinador não quer o Neymar no time? Que ele esteja bem, que consiga fazer o que faz com excelência." O treinador da Seleção olímpica, Rogério Micale, decidiu não fazer o jogo fácil de declarações marcadamente ensaiadas. "Quero ser um facilitador. Não quero atrapalhar", disse o técnico em outro momento da sua primeira coletiva já comandando o talentoso grupo de jovens que tentará garantir o tão sonhado ouro no futebol masculino, feito inédito para o Brasil em uma Olimpíada.

Não vamos fingir não ver o que todos enxergam: o futebol brasileiro depende, sim, de Neymar. Portugal não é dependente de Cristiano Ronaldo? Lionel Messi não dá as cartas na Argentina? Estrelas são estrelas. E o técnico brasileiro decidiu ir no caminho contrário, como se dissesse: "Neymar, eu conto totalmente contigo e vou tentar ajudá-lo".

A resposta do camisa 10 da Seleção Brasileira para o fracasso nacional na Copa do Mundo de 2014 foi impressionante. De 2015 para cá, são menos faltas cavadas e uma série incrível de dribles, assistências e gols pelo Barcelona. Em tempo recorde, Romário, Ronaldo e Rivaldo foram colocados no bolso com a camisa azul e grená. Não é pouco.

Agora, aos 24 anos e na segunda Olimpíada, Neymar tem a missão de ser o mentor de Gabriel Jesus, Gabriel, Luan, Rodrigo Caio, para ficar em poucos nomes. Não é das missões mais fáceis. O próprio camisa 10 sabe bem disso: após chegar à final como favorito, o Brasil acabou deixando o ouro escapar em Londres 2012 para os mexicanos. Que justiça seja feita: nem Ronaldo, Romário, Rivaldo, Roberto Carlos nem tantos outros craques conseguiram fazer do "país do futebol" o país do futebol olímpico.

É claro que destronar Lionel Messi ou Cristiano Ronaldo nunca será fácil. Mas também é bastante óbvio ver que Neymar é, sim, um candidato a tornar-se o grande futebolista do planeta nos próximos anos. Não é exercício de futurologia nem patriotismo: é que o futebol do jogador do Barcelona é capaz de tudo. Até, num ano feliz, superar dois dos maiores jogadores que o futebol já viu.

"No futebol nunca se sabe o que acontecerá, mas creio que Neymar será o melhor do mundo pela qualidade e condições que tem. É um prazer compartilhar o campo com ele, que tem potencial para qualquer coisa e pode chegar aonde quiser", disse Messi sobre o companheiro de equipe.

Da estreia aos 17 anos com a camisa dos Santos ao estrelato com parceria e chuteira exclusiva feita em parceria com a Nike e o astro Michael Jordan, Neymar é um meteoro. Arrasta multidões de fãs nas redes sociais e por onde quer que passe. São 227 gols em 377 jogos até aqui.

Apenas pela Seleção, já são 60 gols, o que deixa a estrada aberta para Neymar superar Marta, Pelé e Romário. Em 108 oportunidades na carreira, Neymar serviu um companheiro para que ele fizesse o gol. É campeão da Copa Libertadores, da Copa do Brasil, da Recopa Sul-Americana, do Campeonato Espanhol, Copa del Rey, da Liga dos Campeões da Europa e também do Mundial Interclubes.

Ousadia, alegria e ostentação

Poucos dias após a Receita Federal brasileira apreender um Porsche e bloquear R$ 188 milhões por suspeita de irregularidades, Neymar usou as redes sociais para dizer que conseguiu realizar um "sonho de criança". A Corte espanhola também não parece fazer vistas grossas para a negociação entre Barcelona, Santos e o pai de Neymar. A Promotoria pediu para que o atleta fosse julgado por corrupção.

O craque já disparou no Instagram para dizer que iria "aparecer monte de babaca e falar m...", após a eliminação do Brasil na Copa América com uma derrota para o Peru, por 1 a 0. A mesma eliminação que tirou da Seleção o técnico Dunga. O lado menos admirável do atleta também surge quando ele diz não ouvir ofensas racistas de torcedores espanhóis quando atua pelo Barcelona.

É um prazer compartilhar o campo com Neymar, que tem potencial para qualquer coisa e pode chegar aonde quiser. (Lionel Messi)

Como se vê, não faltam polêmicas a Neymar. Mal comparando, ele é uma espécie de Kanye West tupiniquim. Ambos são incríveis na arte que produzem (não se pode dizer que jogador brasileiro seja apenas um jogador), mas passam longe da unanimidade quando fora dos gramados. Holofotes demais, linhas ultrapassadas, uma megaexposição atrás de outra. É muita coisa demais.

Você é capaz de discordar de absolutamente tudo que Neymar faz fora das quatro linhas. Bem como pode não aguentar mais o casal West e Kardashian. Mas é inegável que basta um disco novo ou golaço inimaginável, com a inegável pitada de "ousadia e alegria", e lá estaremos nós todos orgulhosos de amar odiá-los. É que a primeira batida no alto-falante ou ao primeiro toque na bola e tudo se desfaz. E a mágica ressurge.

Títulos

Santos
Campeonato Paulista: 2010, 2011, 2012
Copa do Brasil: 2010
Copa Libertadores da América: 2011
Recopa Sul-Americana: 2012

Barcelona
Copa do Mundo de Clubes da FIFA: 2015
Liga dos Campeões da UEFA: 2014–15
Supercopa da UEFA: 2015
Campeonato Espanhol: 2014–15, 2015–16
Copa do Rei: 2014–15, 2015–16
Supercopa da Espanha: 2013
Troféu Joan Gamper: 2013, 2014, 2015

Seleção Brasileira
Copa das Confederações: 2013
Superclássico das Américas: 2011, 2012, 2014
Medalha de Prata nas Olimpíadas de Londres 2012
Campeonato Sul-Americano Sub-20: 2011

Close
Neymar, o capitão do ouro da Rio 2016
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual