Huffpost Brazil

Facebook e Twitter ajudaram investigação de supostos militantes no Brasil; PF prende último procurado

Publicado: Atualizado:
TERRORISTS BRAZIL
Suspeito de terrorismo é escoltado por policial federal no aeroporto internacional de Brasília | EVARISTO SA via Getty Images
Imprimir

O juiz que decretou as prisões de supostos militantes islâmicos no Brasil na semana passada revelou que Facebook e Twitter cooperaram com os investigadores ao fornecerem informações sobre o uso dos suspeitos de ambas as redes sociais.

Em entrevista exibida na noite de domingo no programa Fantástico, da TV Globo, o juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba, afirmou que a colaboração das duas empresas, após uma ordem judicial relacionada à investigação, foi fundamental para se compreender a natureza das conversas realizadas pelos suspeitos, dos quais o 12º e último foragido foi detido também no domingo.

O juiz afirmou, sem entrar em detalhes, que as empresas forneceram dados relacionados ao conteúdo das conversas e dados sobre onde as conversas foram postadas.

Procurados, representantes do Facebook e do Twitter se recusaram a fornecer detalhes sobre o caso. Ambos os porta-vozes disseram que suas respectivas companhias têm tolerância zero com atividades relacionadas ao terrorismo e outros crimes, e que cooperam com autoridades da Justiça quando necessário.

De acordo com os investigadores da chamada operação Hashtag, os suspeitos têm simpatia pelo grupo militantes Estado Islâmico e trocaram mensagens por meio de aplicativos e da internet discutindo "atos preparatórios" para um possível ataque no Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos, que começam em 5 de agosto.

Na entrevista ao Fantástico, o juiz disse que não há anonimato para esse tipo de atividade na internet.

Também na noite de domingo, a Polícia Federal informou, por meio de nota, que o 12º suspeito procurado pelos investigadores foi preso. O homem, que foi detido em Mato Grosso, será interrogado e transferido, assim como os outros que estão sob custódia, para uma penitenciária federal.

LEIA MAIS:

- O que ninguém entendeu sobre a Operação Hashtag

- Prisão de 'terroristas' no Brasil: Cuidado com desinformação e conclusões precipitadas

Também no HuffPost Brasil

Close
Ataques e ameaças do Estado Islâmico
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção