Huffpost Brazil

TERROR: Ataque do Estado Islâmico na Síria mata dezenas

Publicado: Atualizado:
SYRIA
Rodi Said / Reuters
Imprimir

A explosão de um caminhão-bomba reivindicada pelo Estado Islâmico deixou dezenas de mortos e mais de cem de feridos na cidade síria de Qamishli, no nordeste do país, nesta quarta-feira (27).

De acordo com a TV estatal síria
, um caminhão lotado de explosivos foi detonado. Inicialmente pensou-se que a explosão havia sido dupla, mas o segundo impacto foi causado pela explosão de um tanque de gás.

O Estado Islâmico reivindicou o ataque, dizendo que tinha como alvo forças de segurança curdas. Na agência de notícias Amaq, ligada ao grupo, o Estado Islâmico afirmou que o ataque foi perpetrado por um soldado suicida.

Segundo a BBC, pelo menos 44 pessoas morreram no ataque e mais de 100 ficaram feridas. O número de mortos e feridos deve aumentar, pois ainda há muitas pessoas entre os escombros, segundo testemunhas e autoridades da área de saúde pedem que quem puder compareça aos hospitais para doar sangue.

O Observatório Sírio para Direitos Humanos, sediado na Grã-Bretanha, disse que a explosão foi a pior na cidade nos últimos anos. Segundo o grupo monitor, a explosão ocorreu em um área próxima ao quartel-general das forças de segurança curdas que controlam a maior parte da província de Hasaka, onde fica Qamishli. O aeroporto da cidade, no entanto, é controlado por forças do governo de Bashar Al Assad.

A explosão foi tão forte que destruiu janelas de lojas na cidade turca de Nusaybin, na fronteira com a região de Qamishli. Duas pessoas ficaram levemente feridas em Nusaybin, disse uma testemunha.

Nos últimos dias, as forças curdas, apoiadas pela coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, têm conseguido reconquistar territórios do EI no norte da Síria, principalmente nos arredores de Manbij, que, por conta do assédio, passa por uma grave crise humanitária.

syria

syria

Também no HuffPost Brasil

Close
Moedas do Estado Islâmico
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção