Huffpost Brazil

Síria perdeu metade da sua economia com guerra civil

Publicado: Atualizado:
HOSAM KATAN
Vista geral de Aleppo na Sìria, cidade destruída pelo conflito entre forças pró e anti governo | Hosam Katan / Reuters
Imprimir

O Produto Interno Bruto (PIB) da Síria despencou 57% em termos reais desde 2010, de acordo com um relatório recente do Fundo Monetário Internacional (FMI).

O número é incerto e vem de diversas fontes, já que o governo não coleta mais estatísticas oficiais e a economia está cada vez mais informal em meio ao conflito.

O país é hoje efetivamente uma série de territórios autônomos; o governo controla as áreas mais povoadas (como Damasco), mas o Estado Islâmico tem cidades importantes, como Raqqah; boa parte do país é árida e não habitada.

A Síria sofre desde 2011 um embate que descambou para uma guerra civil entre o presidente Bashar Al Assad e grupos de oposição seculares e religiosos.

Histórico

Quando chegou ao poder em 2000 após a morte de seu pai, que governou a Síria por 30 anos, Bashar Al Assad inspirou esperanças de que poderia modernizar o país.

Na economia, fez algumas reformas de desregulação e diversificação que ajudaram a garantir estabilidade, inflação controlada e crescimento robusto (média de 4,4% entre 2000 e 2009).

Mas a pobreza voltou a subir na segunda metade da década, o nível de emprego não acompanhou o crescimento da população e a abertura política seguiu apenas como uma promessa - sem falar na corrupção.

"Mais de 80% das empresas diziam que era esperado que dessem presentes para oficiais para 'fazer as coisas acontecerem', comparado com uma média de 37% na região", diz o FMI.

Crise social e econômica

Os protestos começaram no início de 2011, na esteira da Primavera Árabe, e degringolaram para o conflito atual. Os números do relatório do FMI são chocantes: há estimativas de mais de meio milhão de mortos, e a expectativa de vida caiu 20 anos, de 76 anos para 56.

O órgão da ONU para refugiados contabiliza desemprego em 60%, dois terços dos habitantes na extrema pobreza, 7,6 milhões deslocados internamente e mais de 5 milhões fugidos apenas para 4 países vizinhos.

Já a economia vive uma combinação desastrosa de escassez de produtos, moeda depreciada, inflação galopante, sanções, fuga de capital e mão de obra e o colapso dos setores agrícola e de petróleo.

"Há evidências anedóticas de que companhias e empreendedores, em particular em torno do Aleppo, saíram do país e levaram com eles equipamento e capital pela fronteira para países vizinhos", diz o texto.

A queda estimada de 57% do PIB rivaliza com outros grandes desastres econômicos da história moderna.

Uma lista das maiores quedas do PIB desde 1870 foi feita no ano passado pelo Royal Bank of Scotland, mas só considera economias avançadas:

A falta de dados torna impossível concluir qual foi a pior depressão da história, mas provavelmente estariam na disputa também os Estados Unidos depois da guerra civil no século XIX, a Libéria nos anos 80 e 90 e o Tajiquistão e outros países ex-soviéticos na transição para a economia de mercado.

Recuperação

Ainda não dá para saber como (e se) a Síria vai se recuperar, o que vai depender de acordos políticos e de muito apoio internacional.

Se o país voltar a crescer em 2018 a uma taxa de 4,5% por ano, vai demorar 20 anos para chegar no seu PIB antes da guerra.
Foi o tempo que levou para o Líbano se recuperar após 16 anos de conflito. O Kuwait, que só viveu 2 anos de guerra, levou 7 na recuperação.

"Reconstruir a infraestrutura física danificada será uma tarefa monumental, mas reconstruir o capital humano e a coesão social será um desafio ainda maior e mais duradouro", diz o relatório.

Também no HuffPost Brasil

Close
Objetos de Refugiados
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção