Huffpost Brazil

MIA sobre lista de indicados ao VMA 2016: 'Racista, sexista e elitista'

Publicado: Atualizado:
MIA SINGER
MIA no YouTube Music Awards em 2013 (REUTERS/Andrew Kelly) | Andrew Kelly / Reuters
Imprimir

A cantora MIA usou seu perfil no Twitter nesta quinta-feira (28) para falar sobre o MTV Video Music Awards 2016.

A inglesa ficou de fora da lista de indicados e acusou a premiação de ter sido “racista, sexista, classista e elitista”.

Ela publicou uma série de tweets mostrando indignação pelo fato do vídeo da música Bordes não ter sido indicado na categoria de Melhor Clipe do Ano.

Dirigido pela própria cantora, o vídeo aborda a deliciada questão da crise de refugiados na Europa, exibindo imagens de grandes grupos espremendo-se em barcos e em grades nas fronteiras.

Assista no player abaixo:

Veja os tweets da cantora:

“MIA – Borders não está incluído no VMA #hahahaha Racismo, sexismo, classismo, elitismo.”

“Borders representa as pessoas de fora dos Estados Unidos. Esse é um perfeito exemplo de vozes ‘que são permitidas’ versus vozes excluídas. Até mesmo se é você quem dirige.”

“Não estou aqui por ego ou para ganhar elogios, mas saiba das coisas antes de dizer artistas do resto do mundo que eles têm a mesma projeção que grandes artistas americanos, porque eles não têm.”

Os pais de MIA são do Sri Lanka. A cantora nasceu na Inglaterra, mas chegou a morar no local onde os pais nasceram e conhece o drama presente na região.

A lista de indicados ao VMA 2016 foi divulgada nesta terça-feira (26) e tem a cantora Beyoncé em destaque. Ela recebeu 11 indicações, incluindo o de Videoclipe do ano, pelo registro da música Formation - que aborda temas relacionados à luta por igualdade racial.

Em entrevista ao Evening Standard em abril, MIA fez duras críticas a Byoncé por conta de seu não posicionamento sobre outros assuntos além do ativismo negro - mais especificamente o movimento Black Lives Matter (As Vidas Negras Importam)

“Beyoncé e Kendrick Lamar vão dizer que Vidas Muçulmanas Importam? Ou Vidas de Sírios Importam? Ou essa criança no Paquistão importa?”, questionou.

LEIA MAIS:

- 'Nós podemos fazer isso', diz Angela Merkel sobre política de acolhimento de refugiados

- Iranianos e refugiados afegãos transformam discórdia em obras de arte

TAMBÉM NO HUFFPOST BRASIL:

Close
Refugiados africanos atingem sonho olímpico no Brasil
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção