Huffpost Brazil

Trans, índios, mulheres e negros. Esta será a Olimpíada da Representatividade

Publicado: Atualizado:
OLYMPICS 2016
Brasil sediará espetáculo de inclusão nesta Olimpíada | Getty Images/Westend61
Imprimir

Nem bem começaram os jogos e já temos motivos de orgulho para esta Olimpíada. Ao que tudo, indica o evento já pode ser considerado medalha de ouro quando o assunto é representatividade.

A Rio 2016 teve a maior porcentagem de mulheres atletas da História até agora: mais de 45%. O olhar atento será todo nas nossas heroínas dos campos e quadras, que têm grandes chances de medalhas seja no futebol, no vôlei, na vela, nas lutas ou na ginástica.

Além disso, o COI publicou as diretrizes para que os atletas transgêneros possam competir sem a necessidade de cirurgia.

Quando se trata de falar abertamente sobre sua orientação sexual, mais de 40 competidores declararam-se orgulhosos de fazer parte do time LGBT. Não suficiente, rolou até um beijo gay durante o revezamento da tocha!

Fernando Meirelles, um dos maiores cineastas brasileiros e diretor da cerimônia de abertura do evento, publicou tuítes que exemplificam muito bem sobre o que estamos falando:

E não para por aí. Se Lea T vai fazer história como a primeira transexual a fazer parte da cerimônia de abertura de um evento olímpico, Camila Barros, também trans, assume posição de liderança frente a uma equipe de voluntários que vão trabalhar diariamente em Copacabana atendendo ao púbico e aos atletas das provas de ciclismo e maratona aquática.

Em entrevista ao HuffPost Brasil, a voluntária não escondeu o orgulho de estar contribuindo para as Olimpíadas.

"A organização está de parabéns, sempre me trataram com respeito e igualdade. Olimpíadas é isso. É diversidade. Eu sempre fui envolvida com os esportes e sempre pratiquei. Acredito que o esporte seja um dos poucos espaços em que o preconceito ainda é menor, apesar de eu nunca ter participado de competições de alto rendimento. Estou ansiosa para trabalhar!"

Mas se hoje Camila fala com alguma leveza e tranquilidade sobre o preconceito, é porque desde que assumiu sua transexualidade ela enfrenta muita violência.

"Os desafios são diários, principalmente com as pessoas desconhecidas na rua. São olhares e piadinhas transfóbicas, mas eu aprendi a lidar na esportiva."

Foi após a morte do pai que ela resolveu tomar hormônio e implantar silicones para modificar o seu corpo. "Eu sempre tive vontade, mas não tinha coragem de mudar com ele vivo. Tinha medo de como seria a sua reação. Mas eu sempre tive o apoio da minha mãe e o carinho da minha família", comentou.

A partir da mudança, sua principal dificuldade foi a de encontrar um emprego. As difíceis condições de ser trans no Brasil fizeram que Camila começasse a trabalhar como garota de programa nas ruas do Rio de Janeiro.

Sua história é similar a de tantas outras pessoas que nunca se viram como referências em eventos do porte das Olimpíadas. Por isso não há como questionar o quão simbólico é o fato de ela agora, juntamente com outros 50 mil voluntários, estarem ganhando espaço.

LEIA MAIS:

- #Rio2016: Revezamento da tocha olímpica em Ipanema tem um belo beijo gay

- #ElasNaRio2016: O que você pode esperar da nossa cobertura nas Olimpíadas

- Rio terá restaurante comunitário comandado por grandes chefs nas Olimpíadas

Também no HuffPost Brasil

Close
Brasileiras brilham nestas modalidades olímpicas
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção