Huffpost Brazil

Com talento e muita vontade, detentas criam loja virtual para vender artesanato

Publicado: Atualizado:
Imprimir

loja detentas

Elas estão sob custódia do sistema penitenciário. Mas você pode ajudá-las a garantir uma ressocialização após o cumprimento da pena. Como? Com poucos cliques você pode adquirir produtos produzidos pelas 20 internas do Centro de Recuperação Feminino (CRF).

A primeira do país, a Cooperativa Social de Trabalho Arte Feminina Empreendedora (Coostafe), formada apenas por mulheres presidiárias, já atendeu mais de 100 mulheres em dois anos de existência. Agora, o projeto vai além e acaba de lançar uma loja online para vender os seus produtos. Com uma conta no aplicativo Instagram, a Coostafe quer levar a sua produção para todo o Brasil e garantir que estas mulheres tenham uma garantia de vida após o período de detenção.

A atualização do perfil será responsabilidade das agentes prisionais que acompanham as mulheres durante os dias de trabalho dentro da penitenciária. De acordo com informações da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe), a colaboração das agentes tem sido fundamental para o projeto. Sônia Cardoso é servidora da instituição e ela conta que muitas detentas foram motivadas a participar da lojinha por conta do apoio das agentes.

“Acompanho a Cooperativa desde a criação. Além de atuarmos como agentes, acabamos fazendo parte também desse trabalho ensinando, aconselhando e organizando os pedidos. É muito gratificante ver que essas mulheres conseguem recuperar a independência e retomar a vida com o que apreenderam aqui”.

A Cooperativa Social de Trabalho Arte Feminina Empreendedora (Coostafe) é formada por mulheres artesãs que produzem peças de crochê, biscuit, costura e outros objetos de trabalhos manuais. É a primeira cooperativa do Brasil formada exclusivamente por mulheres presas. Com sede no Centro de Recuperação Feminino (CRF), localizado em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém, a Coostafe conta atualmente com 20 integrantes e é um dos projetos de reinserção social desenvolvidos pela Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe). Os pedidos podem ser feitos pelos telefones (91) 98030-4370/98842-3479. Ou pelo e-mail crf@webmail.susipe.pa.gov.br. Os pedidos são enviados para todo o Brasil via Sedex. #artesanato #coostafe #croche #biscuit

A photo posted by Cooperativa de Arte Feminina (@coostafe) on

Maria do Socorro Cruz é presidente da Cooperativa. Ela não tem dúvidas que a ideia da loja virtual vai animar a produção das detentas.

“Isso é muito bom para o nosso trabalho. Saber que mais pessoas vão poder conhecer nossa história e o que fazemos nos dá mais vontade para produzir. Estamos preparando novos produtos focadas nessa novidade, como luminárias e poltronas. Nos preocupamos muito com a qualidade das peças que oferecemos. A intenção é sempre melhorar e diversificar.”

coostafe

Os produtos

Para consultar as peças disponíveis para venda, você pode acessar o perfil @coostafe no Instragam ou no site www.instagram.com/coostafe. O envio dos produtos é realizado para todo o Brasil. Além disso, todos os finais de semana, as internas da Coostafe comercializam os produtos na Praça da Bíblia, em Ananindeua, e também na Praça da República, em Belém.

Olha que charme esse relógio feito todo de biscuit. Valor: 40,00 + Frete #Coostafe #Feitoamão #Biscuit #Artefeminina

A photo posted by Cooperativa de Arte Feminina (@coostafe) on

Corujinhas peso de porta super charmosas. Valor: R$20, 00 cada + frete #Artefemininaempreendedora #coostafe #Artesanato

A photo posted by Cooperativa de Arte Feminina (@coostafe) on

LEIA MAIS:

- VITÓRIA! Lei que proíbe algemar presas grávidas durante o parto é aprovada no Rio de Janeiro

- Ele trocou a prisão pela universidade e tirou 10 no trabalho de conclusão de curso

- Ex-interno da Fundação Casa usa giz para corrigir acidez do solo e ganha prêmio científico

Também no HuffPost Brasil

Close
#PorTodasElas: Mulheres protestam contra Cultura do Estupro
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção