Huffpost Brazil

'Nadar é minha vida, e a piscina é minha casa', diz Rami Anis, nadador do time dos refugiados

Publicado: Atualizado:
Imprimir

rami anis

"Nadar é minha vida, e a piscina é minha casa."

É assim que Rami Anis, sírio de 20 anos, define o esporte pelo qual disputa uma medalha nos Jogos Olímpicos representando a Equipe Olímpica de Atletas Refugiados nesta terça-feira (9). Ele participa da modalidade 100 metros livre.

"O sonho de todo o atleta é competir nos jogos do Rio. Desde criança nós sonhamos em participar de uma Olimpíada, e cada um de nós sonhou em competir pela bandeira do nosso país, mas infelizmente a guerra nos privou disso. Minha alma e meu coração estão na Síria, e se Deus quiser, nos Jogos de Tóquio [em 2020] , não haverá mais refugiados e todos os atletas poderão competir pelos seus países. Não há nada mais precioso do que sua terra natal", contou ele durante entrevista coletiva.

Sua jornada até aqui, no entanto, não foi fácil. Anis, que treina natação desde os 14 anos de idade, precisou sair da Síria, que hoje vive um estado de calamidade humanitária. Para fugir da Guerra Civil, que já matou mais de 400 mil pessoas em mais de cinco anos de conflito, ele se mudou para a Turquia, onde foi viver com o irmão.

“A bolsa que eu carregava tinha duas jaquetas, duas camisetas, duas calças – era uma bolsa pequena”, lembrou Ramis. “Eu pensei que ficaria na Turquia por uns dois meses e depois voltaria ao meu país”, contou ao Acnur. Os meses viraram anos e, mesmo treinando novamente, o jovem não podia competir, pois não tinha nacionalidade turca.

"Esses últimos anos foram muito difíceis. Eu comecei a nadar muito novo, e tinha muitas perspectivas em representar a Síria internacionalmente. Então, a guerra aconteceu", contou ele ao Al Arabiya.

rami anis

Para contornar o problema, ele atravessou o Mediterrâneo em um bote inflável e, ao chegar na Grécia, embarcou em uma jornada pela Macedônia, Sérvia, Croácia, Hungria, Áustria, Alemanha até, finalmente, chegar na Bélgica, onde vive hoje em dia com o status de refugiado, e é treinado pela ex-nadadora olímpica Carine Verbauwen.

“Com a energia que eu tenho, estou seguro que posso alcançar os melhores resultados” disse. “Será uma grande emoção participar das Olimpíadas”

.

LEIA TAMBÉM:

- Yusra Mardini, a refugiada que fugiu da Síria nadando. E agora vai nadar na Rio 2016

- Uma queda. Um pedido de desculpas. E a admiração do irmão (e dos brasileiros)

- Ex-padre que atacou Vanderlei de Lima diz ter ficado com raiva ao vê-lo acender pira na Rio 2016

Também no HuffPost Brasil

Close
Equipe Olímpica de Atletas Refugiados
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção