Huffpost Brazil

Lohaynny Vicente: Filha de ex-chefe do tráfico é a 1ª brasileira a jogar badminton em Olimpíada

Publicado: Atualizado:
LOHAYNNY VICENTE RIO 2016
Lohaynny Vicente é a primeira brasileira a jogar badminton em uma Olimpíada | Marcelo del Pozo / Reuters
Imprimir

Lohaynny Vicente é a primeira brasileira a jogar badminton em uma Olimpíada. E nesta quinta-feira (11) ela fez sua estreia na Rio 2016.

Enfrentou a indiana Saina Nehwal, número 1 do mundo na modalidade. Saiu derrotada no placar: 2 a 0 (parciais de 21/17 e 21/17). Apenas no placar, pois a história dessa atleta de 20 anos é sinônimo de vitória.

Lohaynny teve o primeiro contato com o esporte por meio de um projeto social na Favela da Chacrinha, depois de enfrentar o luto. Ela viu o pai, um ex-chefe do tráfico, ser morto no complexo do Chapadão, no Rio.

Questionada pelo jornal Extra sobre um possível nervosismo na hora de enfrentar Saina, a carioca se mostrou segura:

“Não fiquei com medo. A pressão estava do lado dela, que jogou várias Olimpíadas. Era a minha primeira. Óbvio que queria ganhar, mas só de jogar já é muita coisa. Porque sou a primeira brasileira a jogar badminton nos Jogos.”

O orgulho que Lohaynny sente de sua própria trajetória até aqui é também compartilhada pelos parentes, que acompanharam a partida.

“Ela mostrou que quem faz nossos caminhos somos nós mesmos. É campeã por estar aqui”, disse o tio, Edilton Oliveira, ao jornal. “Estou muito feliz por ela. Lohaynny já chegou onde queria. E acho que ela pode ir ainda mais longe”, afirma a mãe.

A história da jogadora, marcada pela dor da perda e pobreza, ainda esbarra em outro problema: o preconceito.

Felizmente, essa também é uma questão que já se pode considerar algo do passado. Quem afirma é Ygor Coelho, amigo de Lohaynny e também o primeiro brasileiro a disputar os Jogos Olímpicos no badminton (saído do mesmo projeto social):

“Nunca ligamos para preconceito. Mas no início tinha, sim. Dentro do esporte, as pessoas passavam longe. Ignoravam a Lohaynny, a mim e os outros alunos do Miratus. Hoje, não. Todo mundo fala com a gente.”

A colocar em perspectiva sua história de sofrimento, luta e superação, a jovem carioca comemora sua participação da Rio 2016, apesar de uma estreia com derrota:

“Valeu a pena quando tive que treinar descalça, sem raquete ou sem peteca. Às vezes eu pensava em desistir. Mas lutei pelo meu sonho, consegui e esse momento sempre vai ficar na minha memória.”

Neste sábado (13) Lohaynny Vicente segue lutando. Vai enfrentar a ucraniana Maria Ultina, na tentativa de conseguir uma vaga nas oitavas de final.

O Brasil está na torcida. Boa sorte, Lohaynny!

LEIA MAIS:

- Menções à Rafaela superam Neymar na web. Seleção feminina é mais vista que masculina na TV

- Rio 2016: 13 atletas LGBT que brilham na Olimpíada

TAMBÉM NO HUFFPOST BRASIL:

Close
Simone Biles é ouro em final de ginástica artística
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção